Falar sobre tudo e mais alguma coisa

Sexta-feira, 13 de Fevereiro de 2009
A felicidade aprende-se

imagem retirada da net

 

É verdade, há uma parte da felicidade que se aprende e nem sequer é preciso ir à escola. Aprende-se no dia a dia entre risos e sofrimento, entre filhos e amigos, entre gente simples e a natureza. Aprende-se vivendo. Há uma parte da felicidade que é feita de momentos tão simples como um raio de sol que entra pela janela, ou uma borboleta que volteia numa flor ou numa criança que nos sorri sem nos conhecer. Há momentos em que olhamos à nossa volta e percebemos a sorte que temos por termos nascido num pais onde não há guerra, onde existem jardins em vez de campos de minas e os nossos filhos saem à rua com uma bola na mão e não com uma arma. A felicidade aprende-se no dia a dia, quando nos damos conta que a montanha de roupa para passar não é uma seca, é uma bênção porque há quem ande nu e que a chatice de cozinhar é uma coisa maravilhosa porque temos com que o fazer. A felicidade não tem que ser grandiosa, não tem que nos fazer pular em praça pública, é antes serena e tranquila. É um sentimento que nos invade e aquece o nosso intimo, nos faz sorrir com a certeza que tudo está bem e nos seus devidos lugares. É um sentimento de gratidão para com ninguém em especial por sermos quem somos, por termos na vida quem temos. É uma sensação maravilhosa de paz de espírito que nos torna mais leves que as penas das aves do paraíso. A felicidade aprende-se cada dia mais um bocadinho. Às vezes esquecemos isto tudo por momentos, mas não é grave desde que seja mesmo só por breves momentos e no fim consigamos sentir de novo que somos capazes de ser felizes.

Há outra parte que não depende de nós. É aquela parte que depende da sorte em que vamos tropeçando. Sobre essa não temos controle, mas não faz mal, porque já temos a outra parte, aquela que está dentro de nós, onde ninguém a pode ir buscar e destruir. Se de vez em quando conseguirmos ter as duas, então somos mesmo muito, muitos sortudos e devemos aproveitar ao máximo esse tempo de sorte, porque é raro. E como tudo o que é raro, é precioso!

 

 

 

 


sinto-me: a reflectir

publicado por magnolia às 14:46
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito

Quinta-feira, 26 de Junho de 2008
Pensamentos

 imagem retirada da net

Tem dias que não penso muito nisso. Tem outros que sim. Penso no dia que me casei, cheia de sonhos, cheia de planos. Penso que já nesse dia devia saber que não daria certo. Como um aviso ou premonição as lágrimas correram-me dia e noite nos dias que antecederam o casamento. No próprio dia não me apetecia acordar ao contrario de todas as noivas que já conheci. Queria ficar ali mais um pouco no aconchego dos lençóis. E no entanto, eu queria tanto, mas tanto aquele dia, casar com o homem que amava, passar a estar com ele dia e noite sem precisar de fugir de ninguém.

Casei por amor. Apenas por amor, com 19 anos e uma mala cheia de sonhos. Mudamo-nos para a casa nova apenas com a roupa do corpo, um colchão e uma vontade enorme de sermos felizes. E fomos, alguns dias, depressa a realidade se a abateu sobre nós, sobre mim. Creio que ele nunca pensou nas coisas da mesma forma que eu. E não podia, porque nesta equipa eu era o elo mais fraco. De forma que era mesmo impossível ele sentir as coisas como eu as sentia. Gostava tanto dele, mas tanto. Estava cega de amor. Era o meu sol, o centro das minhas atenções. E foi assim durante muito tempo, tanto que já nem me lembro. Vivia como uma prisioneira na minha própria vida, no meu próprio casamento, nos meus próprios sentimentos, no amor enorme que lhe devotava. Mesmo depois, quando vieram os filhos, era a mesma coisa. Eu amava tanto, queria tanto que resultasse, mas não, não resultava e era infeliz. Lembro-me de tantas, tantas vezes que chorei e de tão poucas que fui feliz. E não, não é um exagero, uma forma de dramatizar a história. Entre ciúmes e a falta de dinheiro, entre a falta de atenção e a falta  de estabilidade, a minha vida era um caos. E eu não conseguia, e na verdade durante algum tempo nem queria fugir desse caos.

Um dia por qualquer motivo oculto apercebi-me que não era aquela vida que queria. Não me lembro desse dia, lembro-me apenas que um dia a certeza de que não era aquilo que queria chegou e tudo ficou claro. Desde esse dia  que tive a certeza que o caminho seria traçado por mim, doesse a quem doesse. E doeu, e muito, e a muita gente. Mas teve que ser.

Fiz de conta que era forte e comecei a traçar um caminho. Nem sempre consegui caminhar exactamente por esse caminho, mas tentei ser fiel a mim. Tentei ser feliz, tentei fazer os meus filhos felizes. Olhei mais longe, mais longe que a linha do horizonte e percebi que as vezes é preciso caminhar sobre espinhos até poder caminhar sobre rosas.

Há dias que não penso nisso, mas há outros que penso e muito, porque foram muitos anos da minha vida que  não me lembro de viver. Lembro-me apenas de funcionar, de respirar, de comer, de trabalhar, de ser esposa, de ser mãe, mas não me lembro de ser pessoa.

 

Magnolia

 

 

 

 


sinto-me: Pensativa na noite

publicado por magnolia às 22:37
link do post | comentar | ver comentários (24) | favorito

Segunda-feira, 25 de Fevereiro de 2008
Sou feliz...imaginando o Amor

imagem retirada da net



Sou feliz apenas assim

Segurando a tua mão na minha

Sentido o teu olhar em mim

Assim como quem adivinha

Que o meu amor jamais terá fim

 

Sou feliz com muito pouco

Apenas preciso de te dizer

Num grito forte ou rouco

Que te amo sem querer

Um amor enorme e louco

 

Sou feliz assim só por saber

Que estas bem e és feliz

E ate tenho que me conter

Porque a minha boca só diz

O quanto te amo sem querer

 

Sou feliz mesmo sozinha

Sabendo apenas que me amas

E quando a noite se avizinha

E os meus sonhos inflamas

Sei que a tua alma é só minha

 

Sou feliz quando me beijas

Um beijo bem pequenininho

E mesmo que tu não estejas

Eu imagino esse beijinho

Sei que meus lábios desejas…

 

Sou feliz e tenho o teu amor

Sinto-o dentro do meu peito

Trouxeste à minha vida o ardor

De quem ama de qualquer jeito

Deste-lhe sentido e esplendor

 


Magnolia


publicado por magnolia às 14:10
link do post | comentar | favorito

...e mais ainda...
Cláudia Moreira

Cria o teu cartão de visita
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Ideias recentes

A felicidade aprende-se

Pensamentos

Sou feliz...imaginando o ...

Ideias antigas

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Março 2007

Março 2006

tags

todas as tags

links
Procuras alguma ideia em especial?
 
Ideias em pelicula
blogs SAPO
subscrever feeds