Falar sobre tudo e mais alguma coisa
Sexta-feira, 20 de Novembro de 2009
Mariana

imagem retirada da net

Vou partilhar alguns textos que escrevi nos ultimos meses... são todos pura ficção...

Ninguém falava de outra coisa na aldeia. Aqui e ali grupinhos murmuravam sobre o último acontecimento, como se falar alto pudesse acordar os mortos do seu sono eterno.

- A Mariana morreu! A Mariana atirou-se da ponte!

Ninguém queria acreditar que isso tivesse acontecido, ninguém conseguia compreender como tinha sido isso possível. Mas era a pura verdade. A Mariana estava morta. Tinham-na tirado do rio, mas já sem vida. O alarme foi dado de imediato por um pescador que estava por perto. Mas as águas negras do rio engoliram-na e só horas depois a conseguiram resgatar.

- Parece que o marido a apanhou com outro…

- Já se esperava isso há muito…

Há muito tempo que se falava dos amores de Mariana e António. O assunto era discutido na mercearia logo de manhã cedo, na taberna da Ti Maria ao fim da tarde, no talho do Sr. José, os cantoneiros que limpam as beiras de estrada, todos falavam do que se passava.

- A mariana e António eram amantes…

- Não deve ser verdade mulher.

- Diz quem já os viu.

Viam-nos passar muito sérios, como se irem sérios os fizesse menos culpados. Encontravam-se longe da terra. Mas dizem que o diabo é tendeiro e que não há nada que não se saiba, por isso houve quem os visse. Entraram os dois no comboio, cada um numa carruagem diferente. No destino abraçaram-se, pensando que ninguém os via. Mas nesse dia a Sra. Rita tinha ido fazer um exame ao coração que só faziam no porto e tambem seguia no mesmo comboio. E logo quem os foi ver, a Sra. Rita! A maior coscuvilheira da terra!

- Pois, é Manuel. Saíram do comboio, cada um da sua carruagem e abraçaram-se e beijaram-se na boca! Eu ate escondi os olhos. Uma vergonha Manuel! Uma vergonha é o que é!

- Viste mal mulher…

Mas não tinha visto. Há muito que eles faziam isso mesmo, para poderem estar juntos uns minutos. Às vezes uma escassa meia hora depois de uma viagem de uma hora! Metiam-se no comboio na terra e iam até ao Porto. Lá andavam de mão dada ou beijavam-se na boca. Nunca passou disso. Ninguém os viu entrar num hotel, ou fazer figuras tristes na via pública, mas o povo não perdoa e a um conto acrescentaram um ponto e em breve passavam as tardes em hotéis e residenciais.

- Vi! E estavam a entrar para uma residencial! Pobre Lúcia. Se ela soube a prenda que tem em casa. E a outra desavergonhada? A meter-se assim com um homem casado?

- Desavergonhada? Mas de quem falas tu mulher?

- Da mariana! Pois de quem mais haveria de ser?

- Então ele não é desavergonhado mas ela é?

- É mulher e tem que se dar ao respeito.

E com esta frase em tom peremptório, a Sra. Rita terminou a conversa. Esta afirmação era a mesma que corria na boca de muitas outras pessoas na aldeia. A mariana por ser mulher tinha que se dar ao respeito. O António por ser homem tinha direito há suas fraquezas. Mundo injusto este em que vivemos em que os homens a e as mulheres não são julgados pelas mesma leis. As leis dos homens são feitas à sua imagem e semelhante: imperfeitas

 

Mariana avançou pela ponte até meio. Parou a menos de dez centímetros da grade e olhou lá para baixo. O rio ali era bastante profundo devido a andarem a retirar areia. Aqui e ali uma rocha mostrava a sua presença nas maré baixa, mas naquele dia não se via nenhuma. As águas de invernos avançavam furiosas até ao mar ali já próximo levando consigo lixo das margens e ramagens caídas das árvores. O céu negro ameaçava chuva. Era terça-feira e deveria estar a trabalhar. Saíra um pouco mais cedo com o pretexto de ter de ir a uma consulta. Era agora o grande momento. Já não aguentava mais a vergonha. O marido vira a carta que escrevera e não enviara a António. Tinha chegado de surpresa e o sorriso morrera-lhe nos lábios com a sua reacção. Mariana não conseguiu sequer reagir, quanto mais sorrir. Nas mãos uma carta velha, muitas vezes relida de António. Na mesa, uma outra acabada de escrever para António, onde lhe abria a alma mais uma vez. Já não a conseguiu apanhar. Guilherme acompanhara o movimento dos olhos dela e apanhara a carta primeiro. Primeiro com surpresa e depois com desgosto olhara-a. Chegou-se a ela e olhou-a nos olhos. Mariana sempre doce não fez menção de fugir. Fez mal. Uma estalada fê-la cair redonda no chão.

- Vai-te daqui. Amanhã à noite já não voltes.

Disse isto como quem cospe.

- Guilherme….

- Vai-te maldita.

Mariana soube então que só haveria uma solução. Acordou cedo e deitou-se junto ao filho que dormia. Tomou banho e deu o pequeno-almoço ao pequeno Miguel. Levou o menino à ama e despediu-se dele com um beijo. Nunca sorriu. Depois saiu para a fábrica, como saia todos os dias. Levava um lenço na cabeça para que ao andar de bicicleta o cabelo não andasse todo no ar. Os lábios cerrados, os olhos escuros e húmidos. Quem lhe perguntou ficou a saber que ela tinha passado a noite com insónias. Quem não lhe perguntou achou que estava cansada, o que era natural. Mariana trabalhava muito, na fábrica e no resto do tempo na pequena horta da casa. No intervalo pediu licença para sair e voltar apenas à tarde. Em vez de ir ao centro de saúde avançou até à ponte. Continuava a ver lá em baixo as águas turvas. Seria rápido, tinha a certeza. Olhou em frente e pode ver o estuário do rio, as gaivotas, os barcos no estaleiro. Pode ver os pescadores de cana na margem, pode ver os salgueiros a deixar tombar os seus ramos nas águas. Pode ver o farol ao longe na sua roupagem vermelha e branca. Pensou no Miguel, que estava agora na ama a comer a papa muito tranquilo. Sorriu ligeiramente ao evocar a imagem do filho. Pensou no Guilherme e deu-lhe razão nas palavras que dissera. Pensou no António e na última vez que se viram. António dissera-lhe que a mulher estava desconfiada e por isso não queria mais encontrar-se com ela. Depois de lhe prometer tanto, de ter arriscado tanto. A vida é assim, estranha. Mariana sabia que não poderia jamais ter o perdão de Guilherme, mas também sabia que António não gostava dela o suficiente para deixar a mulher. A burrice tinha sido sua, apenas sua.

Olhou mais uma vez o farol, pensou no Miguel, encostou-se à grande da ponte e deixou-se cair. Nos escassos segundos que a separaram do tabuleiro da ponte de da água sentiu o alívio da morte por antecipação e sorriu.

 

 

Fim

 


sinto-me: :/

publicado por magnolia às 16:22
link do post | favorito

Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

...e mais ainda...
Cláudia Moreira

Cria o teu cartão de visita
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Ideias recentes

Entrudo

Fábula

primavera

música, da boa.

poema simples

A invenção do Amor

we all do have some nost...

manhãs

poema simples

That 'cause sometimes I t...

breve história de uma árv...

O Humor dos outros.

2013 - os livros que li, ...

Feliz Ano Novo!

Porque os livros (também)...

2013 - os livros que li, ...

That 'cause I think of my...

Estes já têm lugar na min...

Quem se lembra?

2013 - os livros que li, ...

Ideias antigas

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Março 2007

Março 2006

tags

todas as tags

links
Procuras alguma ideia em especial?
 
Ideias em pelicula
blogs SAPO
subscrever feeds