Falar sobre tudo e mais alguma coisa
Quarta-feira, 24 de Agosto de 2011
Antes monoparental que disfuncional

imagem retirada da net

 

 

Esta bela época de veraneio deixa-me sempre mais pensativa em relação a este assunto. Dá-me para observar as famílias que aterram em bandos no areal, que se passeiam na marginal ou que debicam gelados e cervejas nas esplanadas deste nosso Portugal. Não sei como, mas nesta altura do ano as famílias inteiras, vulgo, mãe, pai e filhos e por vezes cão, aparecem em quantidades quase assustadoras cá por fora, tal como os cogumelos crescem no Inverno. Falam alto, gargalham ou passeiam-se orgulhosamente de mãos dadas, de filhos às cavalitas e cão pela trela. E dizem coisas como: “oh mor, olha o menino, pega-lhe ao colo!” Ou: “levas-me o saco, querido?” Ou vê-los passar (a eles) a empurrar o carrinho das crianças e elas, confiantes de que terão a família inteira para toda a vida, empinam o nariz ao passar por mim.

 

Agora, neste momento, sei que estão a pensar que sou uma grande ressabiadona porque não tenho uma destas famílias completas e que por isso, e só por isso, estou aqui a mandar postas de pescada despeitadas. Desenganem-se. Aquilo ali em cima foi uma forma de vos chamar a atenção para um assunto difícil. Gosto de ver famílias felizes e se penso mais nisso é porque ainda me causa tristeza ter tido que abdicar da minha.

 

E por causa disso, e mais uma vez, fiz-me a pergunta: qual a família mais feliz, a monoparental ou a disfuncional? Qual o mal menor?

 

A resposta é difícil. Pensei muito e muitas vezes. Antes do divorcio, durante e depois. Ainda penso. Tento ver todos os prós e os contras e até fiz uma análise swot, que me ensinou um amigo marketeer, para ver se chegava a uma conclusão mesmo, mesmo conclusiva.

 

Ia mostrar aqui a análise mas desisti. É demasiado grande a quantidade de itens que coloquei nos pontos fortes (do ponto de vista de sozinha) e isso (ainda) me causa tristeza. A minha família não era feliz quando era inteira e só agora, que lhe parti um braço, ficou melhor. É triste perceber que tive que lhe partir um braço para ser um bocadinho mais feliz. Um desmembrado mais feliz. Não é ridículo? Antes, quando era inteira, havia lágrimas e havia tristeza e havia a dúvida do caminho a seguir. E havia um aperto no peito constante. Agora, desmembrada, há alguma solidão, mas em compensação, há uma serenidade que se vê a olho nu. Em todos nós.

 

Penso nos meus filhos. Eles sabem que fui eu que quis assim. Sei que sofreram. Sei que dei o meu melhor (mesmo podendo não ter sido o suficiente) para manter a família unida. Sei que não me apontam o dedo. Sei que entendem e estão bem. Sei que hoje, passados sete anos, sabem que foi o melhor a fazer.

 

Nem por isso deixo de sentir a tristeza de quem foi obrigada a partir uma vida a meio. Mas, ponderando tudo, mais vale monoparental do que disfuncional.

 

 



publicado por magnolia às 12:19
link do post | comentar | favorito

10 comentários:
De Sofia a 24 de Agosto de 2011 às 12:50
Ohhh, agora quase me fizeste chorar ( e isso não se faz, uma vez que estou no trabalho heim!).
Eu concordo contigo. Ou bem que as coisas resultam num todo e para felicidade de todos, ou será melhor seguir o caminho que seguiste. No entanto, não deixo de sentir uma certa tristeza quando leio nas tuas palavras o quão difícil foi essa decisão e como ainda te magoa...

Beijos
Sofia M.


De magnolia a 24 de Agosto de 2011 às 14:15
Querida Sofia,


Não quero fazer ninguém chorar. Não, não! Só me lembrei de escrever sobre isto, porque costumo ir caminhar na marginal e nesta altura está cheia de gente, nomeadamente familias...e vem assim uma tristezasinha por estar sozinha. Os meus filhos estão no pai e só os tenho visto uma vez por semana...e não deveria ser assim...eles deveriam ter pai e mãe juntos e por causa da minha decisão não têm...

Beijinhos


De geriatriaaminhavida a 24 de Agosto de 2011 às 14:44
Eu durante 11 anos também não vivi feliz e com a chegada da minha filha a coisa não ficou melhor,.
Tomei a decisão de sair daquela infelicidade, mesmo que não ganhasse a felicidade o facto deter alguma paz já era compensador. Felizmente que tomei essa atitude. A minha filha tinha 7 anos e passados 13 anos continuo a achar que foi o melhor para mim e para ela.
Boa semana


De magnolia a 24 de Agosto de 2011 às 15:51
É bom saber que de todas as pessoas com quem vou falando, não estão arrependidas...bem pelo contrário. É sinal de que o sofrimento de passar pelo divórcio valeu a pena.

Beijinhos


De devaneiosedesvairos a 24 de Agosto de 2011 às 15:27
É impressionante a forma com que este assunto machuca o coração de quem vive esta situação.

Também eu relutei bastante em tomar a decisão, e apesar de hoje achar que foi o mais coreccto e justo com todos nós, por vezes ainda me questiono se não foi egoismo ter impedido os meus filhos de viverem numa família completa...

Beijo grande para ti ;)


De magnolia a 24 de Agosto de 2011 às 15:49
Sem dúvida que magoa muito e deixa marcas profundas. Em mim deixou, por muito que esteja bem melhor agora...

Um beijo grande para ti também!


De Cris a 24 de Agosto de 2011 às 16:13
Não falo por experiência, mas julgo que uma decisão destas, embora traga algum (muito) sofrimento para as partes envolvidas, é preferível a uma vida inteira de infelicidade, a lamentar-se o que se devia ter feito e não se fez...
Admiro-te muito pelo rumo que deste ao teu destino, pela tua determinação em ser e fazer felizes os que te rodeiam e, acima de tudo, em permitires, desta forma e a longo prazo, que os teus filhos sejam pessoas melhores e de bem com a vida.

Beijinho grande


De magnolia a 25 de Agosto de 2011 às 09:35
Fiz o melhor que pude, nunca sabendo se foi mesmo o melhor. Mas tudo me leva a crer que sim. Apesar das dificuldades de estar sozinha, pelo menos estou em paz...estamos em paz...

A vida não é fácil...nunca foi...

Beijinhos**


De tarotnet a 25 de Agosto de 2011 às 17:52
Parece-me que o melhor é sempre quando nós interiormente estamos também melhor, não adianta fingirmos que estamos bem ao lado de alguém quando essa convivencia não nos faz feliz e nos obriga a ter de fingir perante seres tão puros e fantásticos como são os nossos filhos.
Eles sofrem com a ruptura porque gostam daqueles dois seres e nunca se aperceberam de nada que fosse negativo e é obvio que sofrem porque para eles tudo é vivido de forma intensa mas a médio e longo prazo ter dois pais felizes mas separados é muito melhor.
Eu sou homem mas admito que a mulher fica com encargos muito maiores e com sacrificios muito maiores, não devo generalizar mas é notório que a mulher tem uma sobrecarga no que diz respeito à gestão dos filhos depois da separação.
Eu gosto de pensar que os homens deste século estão já evoluidos ao ponto de saberem partilhar tudo mas a verdade é que ainda estamos longe disso acontecer.


De magnolia a 26 de Agosto de 2011 às 14:26
Ainda não há muitos homens a reconhecerem isso, Márcio. Infelizmente. Tomar esta decisão foi das coisas mais dificeis que já fiz. E não nego que tenho tido a vida muito dificultada mas não me arrependo. A traquilidade que agora sinto compensa largamente a solidão. E estou certa que essa tranquilidade também serve para fazer os meus filhos mais felizes...


Comentar post

...e mais ainda...
Cláudia Moreira

Cria o teu cartão de visita
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Ideias recentes

Entrudo

Fábula

primavera

música, da boa.

poema simples

A invenção do Amor

we all do have some nost...

manhãs

poema simples

That 'cause sometimes I t...

breve história de uma árv...

O Humor dos outros.

2013 - os livros que li, ...

Feliz Ano Novo!

Porque os livros (também)...

2013 - os livros que li, ...

That 'cause I think of my...

Estes já têm lugar na min...

Quem se lembra?

2013 - os livros que li, ...

Ideias antigas

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Março 2007

Março 2006

tags

todas as tags

links
Procuras alguma ideia em especial?
 
Ideias em pelicula
blogs SAPO
subscrever feeds