Falar sobre tudo e mais alguma coisa
Domingo, 14 de Fevereiro de 2010
Frágil máscara

 


imagem retirada da net


 


 



Na loja disseram-me que me ficaria um mimo. Eu não acreditei muito, mas depois de me ver ao espelho fui obrigado a concordar que me ficava esplendidamente. O espelho devolvia-me uma imagem bonita, um homem na casa dos trinta de smoking e laço preto. O cabelo penteado para trás dava-me um ar distinto e completava muito bem a personagem que eu queria mostrar. Estava com um ar distinto. Tinha a certeza que ela aprovaria.


Acabei de limpar as mãos e atirei a toalha molhada para a cama ainda por fazer. Aliás era assim que estava a maioria dos dias: os lençóis numa rodilha. Depois sai de casa e chamei um táxi.


- Para o restaurante Chez Antoine, por favor.


Estacionamos à porta e vi que ela já se encontrava à minha espera no pequeno bar que servia de apoio ao restaurante. Era uma mulher absolutamente deslumbrante. Estava sentada num banco alto e porque tinha as pernas cruzadas podia ver-se um pedaço de pele deliciosa pela abertura da saia. O decote generoso do vestido negro era uma verdadeira tentação. Avancei até ela com um sorriso nos lábios e não pude deixar de notar o brilho do diamante que ela carregava no dedo anelar.


- Desculpa o atraso minha querida, mas o trânsito está um inferno. Ainda bem que vim de táxi em vez de vir no meu carro, ou não teria como estacionar.


- Não tem importância nenhuma, estava aqui a saborear este delicioso martini. Não tem mesmo importância nenhuma…


Disse-o com um sorriso imenso que mostrava uns dentes brancos e perfeitos. Tive vontade de a beijar mas tive que refrear o ânimo, estava ali muita gente.


- Estás absolutamente deslumbrante!


- Obrigada, meu querido.


Depois do jantar seguimos para a casa dela de táxi. A noite estava tão agradável que saímos umas ruas mais cedo do que o devido e percorremos o resto do caminho a pé, de mãos dadas e a trocar segredos e sorrisos e olhares adocicados. Depois, já mais tarde, trocamos carícias e juras de amor deitados num tapete alto em frente a uma crepitante lareira acesa.


Depois desta noite seguiram-se outras noites igualmente maravilhosas. Depois as noites transformaram-se em semanas e em meses. E sei que ela estava absolutamente apaixonada. E eu confesso que me fazia bem a sua beleza, mas cobiçava mais ainda a sua conta bancária. Era nela que eu centrava os meus sonhos e projectos. A mulher, dona dessa mesma conta, era apenas um bónus belíssimo.


Foi então que tudo aconteceu e eu tive mesmo que deixar cair a mascara que tinha conseguido manter durante todos aqueles meses. E foi então que pela primeira vez me apercebi do que tinha feito.


Era dia de S. Valentim e estávamos a jantar no Chez Antoine, o mesmo restaurante onde tínhamos jantado na primeira vez. Há já alguns meses que não íamos lá, mas eu nunca suspeitaria de que lá trabalhasse agora uma pessoa que me desmascaria sem que eu pudesse fazer alguma coisa.


A pessoa que nos veio servir as entradas era o meu pai.


A minha primeira reacção foi a de fazer de conta que não o conhecia. Ele ficou calado durante alguns segundos que me pareceram horas. Depois sorriu como se me tivesse visto ontem e não como se eu tivesse passado tantos meses sem querer saber dele e da minha mãe. Eu levantei-me sem uma palavra para grande espanto da minha noiva. O meu pai deixou-me sair e sei que se retirou sem alarido porque foi ele mesmo que me contou depois como as coisas se tinham passado. Uns minutos depois ela veio encontrar-me encostado a uma das paredes da casa de banho, a suar frio e sem saber como continuar aquela farsa.


- Que se passa? - Perguntou-me ela.


- Aquele homem que nos serviu agora mesmo é meu pai e eu sou um pobre coitado. Tenho andado a mentir-te este tempo todo…


- Querias o meu dinheiro?


- Desculpa…


- Eu teria gostado na mesma de ti…pelo que és…mas agora já não osso nunca mais confiar em ti…


Foram as últimas palavras que me dirigiu. Nunca mais a vi, nunca mais me deixou chegar perto, nunca mais me deixou explicar. Não recebeu as minhas cartas. Não atendeu os meus telefonemas, não aceitou as minhas visitas. Perdi-a para sempre por causa de uma mentira que não consegui sustentar até ao fim. Nos dias seguintes fui capaz de perceber que afinal a amava. Senti saudades e a alma dilacerada com a sua ausência. Senti que não eram apenas os bens materiais que me faziam gostar dela. Era por ela também. Era uma mulher bonita e inteligente e tinha bom coração. Errei de uma forma absurda. Menti. Fui pequeno e ela não merecia. E apenas percebi isso naquele momento em que li a tristeza nos olhos do meu pai e uns momentos depois nos dela. Foi como se tivesse tido uma revelação.


Voltei à minha vida normal, mas aprendi uma lição. Sem duvida que aprendi uma lição. Sim, uma lição valiosa que me acompanhou até aos últimos dias da minha vida.


Escrevo hoje esta pequena história, dia 14 de Fevereiro, para que te seja entregue. Já não tenho muito tempo, restam-me talvez umas semanas de vida e não posso morrer sem que saibas que efectivamente te amei. Sem que saibas o quanto me arrependi pelo que te fiz em cada momento da minha desde aquela malograda noite.


 


Texto de ficção escrito por Cláudia Moreira para a Fábrica de Histórias


 




publicado por magnolia às 21:42
link do post | comentar | favorito

2 comentários:
De green.eyes a 14 de Fevereiro de 2010 às 21:56
Obrigado Claudia, por nos brindar com um texto lindo.

Adorei, infelismente ainda vão aparecendo por ai muitos homens e mulheres de marcara, tentando enganar tudo e todos ...

Beijinhos



De magnolia a 15 de Fevereiro de 2010 às 16:38
Olá Ana:)

Muito obrigada pelo comentário. Eu sei que esta história é um cliché, mas também é uma realidade...e eu achei que se adequava ao tema.

Um beijinho grande para ti**


Comentar post

...e mais ainda...
Cláudia Moreira

Cria o teu cartão de visita
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Ideias recentes

Entrudo

Fábula

primavera

música, da boa.

poema simples

A invenção do Amor

we all do have some nost...

manhãs

poema simples

That 'cause sometimes I t...

breve história de uma árv...

O Humor dos outros.

2013 - os livros que li, ...

Feliz Ano Novo!

Porque os livros (também)...

2013 - os livros que li, ...

That 'cause I think of my...

Estes já têm lugar na min...

Quem se lembra?

2013 - os livros que li, ...

Ideias antigas

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Março 2007

Março 2006

tags

todas as tags

links
Procuras alguma ideia em especial?
 
Ideias em pelicula
blogs SAPO
subscrever feeds