Falar sobre tudo e mais alguma coisa
Segunda-feira, 2 de Junho de 2008
Marcas indeléveis

imagem restirada da net

 

Hoje a minha mãe faz anos. Este ano são cinquenta e nove, mas há nove anos atrás, precisamente dois dias depois da minha filha nascer, o dia de aniversario da minha mãe, que eu esperava ser um dos mais felizes da minha vida, dia em que iria levar a minha menina para casa e celebrar os cinquenta anos da minha mãe, foi o dia que veio a tornar-se um dos piores dias da minha vida….Tão mau que ainda hoje, tanto tempo depois, não consigo esquecer. E no entanto tudo está bem e se provou que foi apenas uma suspeita infundada…mas a marca indelével da dor ficou aqui dentro, gravada a ferro e fogo.

Por esta hora, estava já em pulgas a espera da alta para poder ir para casa. O parto da minha filha tinha corrido bem, sem ajuda da epidural, sem nada, absolutamente normal, apenas uns medicamentos para acelerar o processo, nada mais. Alguns (bastantes) pontos para incomodar durante uns tempos, mas de resto tudo bem. Por volta das onze examinaram-me e disseram-me que estava tudo bem, que iria embora. Depois levaram a minha filha. Dali a pouco chamaram por mim. Lá fui, de camisa de dormir, ter com os médicos que me tinham chamado. Estavam lá dois, uma médica e um médico. Mandaram-me ficar ali de pé em frente deles, a uma distância razoável da secretaria, enquanto os ouvia. A primeira frase eu não compreendi bem, disseram: “ concerteza já reparou que a sua filha tem uma coisa anormal?” eu devo ter feito uma cara de estranheza, porque repetiram: “sim, não reparou que a sua filha não põe a língua para dentro enquanto dorme?”. Disseram isto assim, de chofre, friamente. Eu não entendi a implicação disto e disse: “eu pensei que fosse jeito dela…mas o que tem isso? A minha filha está bem?” então eles implacavelmente, fizeram o mundo desabar sobre mim naquele momento, assim, sem apelo nem agravo, sem um palavra amiga, sem uma atenção, comigo ali de pé, em camisa de noite, ainda toda dorida do parto: “ achamos que a sua filha sofre do síndrome da down, vamos manda-la fazer exames, mas é quase certo.”

Eu nunca, mas nunca chorei tanto como naquele dia e nos dias seguintes. Comecei a chorar naquele momento e a noite ainda chorava da mesma maneira, inconsolavelmente. Olhava a minha menina, abraçava-a e imaginava tudo o que iríamos sofrer a partir dali…

Logo com uma semana de idade fomos fazer o teste do pezinho que poderia desde já indicar alguma coisa sobre a doença. Fizeram o teste rapidamente, autorizaram-me a telefonar a saber o resultado: Negativo. Fomos fazer análises ao sangue, todas mais tiróide: tudo negativo. Depois fomos ao instituto de genética do porto para fazer o mosaico genético, esse seria o exame mais importante de todos, porque diria concerteza o grau da doença: negativo, nada, absolutamente negativo. Esperei mais de um mês por este resultado. No dia que ouvi a mensagem no telemóvel deixada pela pediatra do hospital eu nem queria acreditar. Mesmo assim a medica continuava a dizer que não estava convencida. Andamos um ano em consultas com ela. Todos os meses íamos lá para ele ver se ela desenvolvia normalmente. A minha filha fez tudo nas alturas normais. Chorou, riu, palrou, nasceram os dentes, sentou, gatinhou. A pediatra pediu a opinião a duas outras especialistas que disseram que não achavam nada de errado na miúda e até disseram logo que ela iria ser uma miúda linda. Nesta altura já se viam os olhos azuis céu que ainda hoje tem, e umas caracoletas a começarem a aparecer nos cabelitos. Finalmente um ano depois, deu alta a minha filha e disse que estava tudo bem, que não precisava de voltar.

Foi um ano infernal, de sofrimento, de ansiedade, de muita angústia. Muitas vezes penso no momento em que me disseram e na forma como me disseram, na insistência. Isso não se faz a uma mulher que acaba de ter um filho. Que esta feliz. Deviam ter dito com mais calma, não ali no meio das outras mulheres, de pé, sem ter onde me agarrar sequer no momento do embate. Digo isto por mim e por todas as mulheres que já passaram pelo mesmo, e pior ainda, aquelas que se revelou ser verdade e os seus meninos serem mesmo doentes. Eu dou muito valor a essas mães. Porque o sofrimento é tão grande e mesmo assim vemo-las a passar de sorriso nos lábios com os seus meninos ao colo.

Hoje essa nuvem negra passou. A Ana é uma miúda linda, alegre, inteligente, aluna de excelentes, meiga e sociável. Mas não há um ano sequer que eu não me lembre disto e não sofra. É uma coisa que jamais se esquece, jamais se apaga de dentro de nós. As dores do parto eu já esqueci, e foram muitas, mas essa dor eu não consigo esquecer. Todos os dias que olho para os meus filhos com um pouco mais de atenção eu dou graças a Deus por serem saudáveis.

Deixo aqui um beijinho muito grande para todas as mães que infelizmente têm filhos doentes, e um abraço de força para ajudar a criar esses meninos e meninas que sofrem, seja fisicamente, seja psicologicamente.

 

Magnólia a mexer no baú das recordações

 

 

 


sinto-me: a recordar

publicado por magnolia às 11:35
link do post | comentar | favorito

15 comentários:
De me a 2 de Junho de 2008 às 11:50
Meu Deus! Só me apetece chamar meia dúzia de nomes aos médicos!!!!!!

Olha ainda bem que tudo não passou de um GRANDE susto!

Infelizmente outras mães não tiveram a mesma sorte de acordar de um pesadelo...
Bjokinhas


De magnolia a 4 de Junho de 2008 às 10:44
É verdade nao passou de um GRANDE susto, e eu ainda hoje dou graças a Deus por ter sido apenas isso mesmo...

Quando passo por maes e meninos que nao tiveram a mesma sorte que eu, sinto um aperto no peito....

beijinhos


De ssbpt a 2 de Junho de 2008 às 11:54
Bem, nem imagino aquilo porque passaste nesse primeiro ano da tua filha, realmente há médico que têm uma sensibilidade... o que importa é que tudo não passou de um susto e a tua filha cresceu saudavel e linda! Beijocas e um bom aniversário para a tua mãe!


De magnolia a 4 de Junho de 2008 às 10:45
Obrigada Sandrinha...

A minha filha está uma linda pré-teen:-) Tenho muita sorte por ela ter saude, muita mesmo...

beijinhos


De aspalavrasnuncatedirei a 2 de Junho de 2008 às 22:07
Olá Magnólia.
Gostei muito deste teu post (o coração de mãe é muito resistente, não é verdade?)
Gostei também das tuas fotos, és muito bonita
Beijinhos, fica bem.


De magnolia a 4 de Junho de 2008 às 10:49
Obrigada!! Pela visita, por teres gostado, pelo elogio...:-)

O coração de mãe é a coisa mais forte, enorme, elastica, titanica que conheço!!

beijinhos


De Susana Falhas a 3 de Junho de 2008 às 00:11
Olá , de novo! Ao ler o teu post , não podia deixar de o comentar. Posso imaginar uma milésima da dor que passaste naquele momento...porque também sou mãe, de dois lindos meninos. Agora, não se compreende, como é possível médicos darem uma notícia dessas sem terem a certeza absoluta da afirmação, na frente de todas as mães... Há que ter alguma sensibilidade quando se trata desse tipo de situações...
Enfim! O melhor que tens a fazer é virar uma página e esperar que, com este post , alguém possa beneficiar mais da sensibilidade dos profissionais de saúde.
Beijinhos


De magnolia a 4 de Junho de 2008 às 10:51
Olá Susana,

Virar a página até se vira...agora esquecer....muito dificil...

Obrigada e muitos beijinhos para ti e para os teus meninos:-)


De Márcio Branco a 3 de Junho de 2008 às 14:19
Penso que como sociedade ainda não estamos preparados para enfrentar a diferença e o que isso acarreta para todos nós diariamente, por isso o nosso desejo é que um filho nosso seja o mais perfeito possivel, para que consiga integrar-se bem neste meio em que vivemos e consiga fazer a sua caminhada. Aproveito este post para enviar um cumprimento muito especial e cheio de força para todos os pais que lidam com crianças maravilhosas, que por qualquer motivo são mais especiais que outras crianças e é preciso muita coragem e muita entrega para criar um filho especial, numa sociedade que infelizmente não está preparada.
Jinhos Magnólia, tudo terminou bem :-) E parabens à fihota que fez anos e só hoje é que vi.


De magnolia a 4 de Junho de 2008 às 10:52
Olá Marcio,

Tens muita razão no que dizes.

Sim, para nós tudo terminou bem:-)

Jinhos para ti tambem!!

ps: como vão os preparativos??


De Cris a 3 de Junho de 2008 às 22:32
Imagino que não tenha sido nada fácil esse ano mas, felizmente tudo não passou de um grande susto...
O Duarte também fez testes de despistagem do síndrome de Down - reconheço bem a angústia da espera!

Ser mãe é difícil... mas é tão bom!!!

Beijinhos


De magnolia a 4 de Junho de 2008 às 10:54
Olá Cris,

Tens razão, ser mãe é tao bom, mas tão bom!! Um sorriso deles basta para fazer esquecer todas as angustias!!!

O Duarte está bem, certo? É o Duarte que vai fazer a operaçao dia 19?

Beijinhos para todos querida Cris:


De Cris a 4 de Junho de 2008 às 15:25
O Duarte, agora, está bem, felizmente!
Mas é já no dia 19 que vai ser operado - uma operação de rotina, segundo dizem.
Estou a ficar um pouco ansiosa!! Já vamos na segunda anestesia geral!

Beijinhos
Continuação de boa semana!


De Joanina a 4 de Junho de 2008 às 23:53
Acredite que fiquei mesmo chocada com a sua historia! Foi mesmo cruel o que lhe fizeram, a forma como lhe disseram!! As vezes os profissionais de saúde parecem mais maquinas do que seres humanos. Sinto muito!!! Mas fico feliz de saber que afinal tudo não passou de um susto e a comprova-lo esta o final feliz desta historia: a sua linda filha!!! Bj da Jo


De magnolia a 7 de Junho de 2008 às 10:28
Quando a noticia já é cruel, os portadores da mesma deviam tentar amaciar o mais possivel...mas pronto, ainda nao se fazem testes à sensibilidade antes juntamente com o contrato de trabalho....

Obrigada pelo apoio Jo:-)

beijinhos e uma
Ps: eu já fui ao teu blog e tratei-te por tu....pode ser? e queria o mesmo tratamento:-)




Comentar post

...e mais ainda...
Cláudia Moreira

Cria o teu cartão de visita
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Ideias recentes

Entrudo

Fábula

primavera

música, da boa.

poema simples

A invenção do Amor

we all do have some nost...

manhãs

poema simples

That 'cause sometimes I t...

breve história de uma árv...

O Humor dos outros.

2013 - os livros que li, ...

Feliz Ano Novo!

Porque os livros (também)...

2013 - os livros que li, ...

That 'cause I think of my...

Estes já têm lugar na min...

Quem se lembra?

2013 - os livros que li, ...

Ideias antigas

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Março 2007

Março 2006

tags

todas as tags

links
Procuras alguma ideia em especial?
 
Ideias em pelicula
blogs SAPO
subscrever feeds