Falar sobre tudo e mais alguma coisa

Sexta-feira, 23 de Novembro de 2012
Memórias

Hoje, olhando o céu tão cinzento a ameaçar-nos de Inverno, tive saudades do tempo em que as tardes não custavam nada a passar. Nesse tempo, eu miúda de tranças ainda, encostava a cara ao vidro gelado da janela e ficava a ver chover lá fora. As grossas gotas de chuva molhavam tudo, as folhagens das árvores, as laranjas já quase maduras, as heras da parede e nas águas do tanque parado faziam círculos dentro de círculos. Dentro da sala, o som inequívoco da agulha de crochet a passar na linha enchia tudo. E também o tic-tac do relógio. Depois, a minha avó tirava os óculos de ver ao perto e ia para a cozinha fazer-me leite-creme para o lanche.    


tags:

publicado por magnolia às 15:29
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Segunda-feira, 10 de Janeiro de 2011
Memory JukeBox

 

 

 


sinto-me: :)

publicado por magnolia às 22:32
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 30 de Novembro de 2010
Memory JukeBox

 

 

 


sinto-me: ...

publicado por magnolia às 20:43
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 26 de Novembro de 2010
Memory JukeBox

 

 

 


sinto-me: nostálgica

publicado por magnolia às 19:06
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|

Quarta-feira, 17 de Novembro de 2010
Memory JukeBox

 

 

 


sinto-me: nostálgica

publicado por magnolia às 22:13
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Quinta-feira, 28 de Outubro de 2010
Memórias registadas em papel!

 

Eu era muita gira e fashion ou quê??????

 

 

(a minha mãe garante que eu era a mais gira das redondezas)


sinto-me: :P

publicado por magnolia às 12:01
link do post | comentar | ver comentários (11) | favorito
|

Segunda-feira, 25 de Outubro de 2010
Memórias Outonais

 

Hoje lembrei-me das horas que passei pelos caminhos velhos da minha aldeia à procura de folhas pintadas de cores outonais. Folhas lindas pintadas por excêntricos pintores imaginários. Eram folhas para pendurar nas paredes da escola. Uma mudança de estação implicava uma mudança de decoração! Isto passou-se em tempos em que a liberdade não era apenas uma palavra e as crianças podiam ser crianças pelas ruas, correndo, rindo, chapinhando nas poças de água, comendo amoras nas bermas da estrada e em que só se voltava à casa perto do anoitecer, cansadas, sujas mas felizes. Eram tempos em que simplesmente se era criança e isso bastava para ter um sorriso de alegria no rosto! 

 


sinto-me: :)

publicado por magnolia às 14:09
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

Domingo, 17 de Janeiro de 2010
Memórias

 


 


Desde sempre tive a mania de guardar coisas. Comprei várias caixas de vários tamanhos e feitios e cores e baptizei-as com o nome de caixas das tralhas.


É claro que não são tralhas, são recordações, memórias na forma de objectos, pedaços de mim. Passa-se muito tempo que nem sequer lhes toco, mas o facto de ali estarem sossega-me, deixa-me tranquila porque sei que aquela parte do meu passado continua a pertencer-me e não me irei esquecer dela quando a idade me começar a atraiçoar. Ninguém me pode roubar estas memórias.


Ontem estava a arrumar o armário onde guardo parte dessas caixas e uma dela caiu-me no chão, abrindo-se e espalhando parte do seu conteúdo. Baixei-me para começar a apanhar as coisas e arruma­-las no sítio, mas em vez disso sentei-me no chão e comecei a pegar em cada uma das coisas com um cuidado quase religioso, a ver se tudo estava intacto e ao mesmo tempo obedecendo ao chamamento irresistível de lembrar o passado.


Naquela caixa guardo todas as coisas especiais que fizeram parte duma parte especial da minha vida: o meu primeiro grande amor.


Dentro da caixa repousam bilhetes de comboio das viagens que fiz para o ver, antigas cassetes de música que só ele ouvia, cadernos cobertos de palavras a contar histórias, sentimentos, emoções e pequenos nadas que eram tudo naquela altura. Eu não devia ter mexido na caixa, eu não devia ter sequer ido ao armário sabendo que podia ver a caixa, porque a verdade é que eu já sabia como ia terminar a noite.


Confesso que sempre que mexo nas caixas das tralhas fico deprimida e por isso deveria evitar mexer nelas, mas de vez em quando o apelo é demasiado forte. É como se a minha mente, inconscientemente, me levasse até ela, como se fosse vital não deixar morrer estas memórias. Memorias que contam a minha vida, que contam como cresci, como me tornei mulher.


A história terminou mal. Sofri. Chorei. Sofri muito. Chorei. Não pudemos ficar juntos. Eu era demasiado nova e ele muito mais velho. Eu era demasiado inocente e ele tinha demasiado a perder. Eu era pobre e ele não. Eu era apenas uma menina com ânsias de ser mulher que adorava um homem que não me podia fazer feliz.


Peguei nas coisas do chão, uma a uma, com muito cuidado. Um soluço preso na garganta e os olhos a arder. Bastava apenas um click para despoletar um manancial de lágrimas.


Estranho. Tantos anos se passaram, tantas rugas na minha cara, cabelos brancos na minha cabeça e ainda me fazia sofrer. Já não há amor. Apenas uma mágoa profunda que continua a fazer-me sofrer. Apenas um reviver de uma situação que doeu. Sofrimento. Dor. Frustração. Paixão. Amor. Tanta coisa. Ficou tudo dentro de mim. Ficou a marca indelével de um grande amor.


Coloquei a tampa na caixa, guardei-a no armário. Limpei as lágrimas. Fechei a porta. Virei as costas e ergui a cabeça, afinal as memórias são muito importantes, mas a vida é agora. 



publicado por magnolia às 23:41
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Segunda-feira, 12 de Janeiro de 2009
Memórias da minha infância

nós eramos muitos mais mas não encontrei a imagem perfeita:o)

Naquela altura éramos seguramente mais de trinta. Avós, tios e tias, primos e primas. Quando chegava a primavera juntavamo-nos todos cá na terra e era uma alegria tão grande que muitas dias antes já mal dormia de ansiedade! Vinham os primos de Gaia, os primos da Póvoa e de muitos outros lugares, que é o que dá ter uma família enorme!

Eram sempre domingos estes dias de festa e que me lembre, esse dias, foram todos de sol. E ainda bem, porque estas festas consistiam em enormes pic-nics no pinhal onde se assavam sardinhas, se comia regueifa, broa e azeitonas. Também se levava pão-de-ló e ovos tingidos.

Os primos maiores arreliavam os mais pequenos e era só ouvi-los choramingar um pouco para logo de seguida correrem atrás do arreliador! Também jogávamos aos índios e cowboys. E ainda dava tempo para procurar covas de coelho e de raposa. Mas o que mais gostava era mesmo das descidas vertiginosas sentados em cima de um cartão, por uma encosta ingrime do pinhal. Muitos terminavam o dia de joelhos esfarrapados e calças rotas, mas não fazia mal, porque era demasiado divertido para darem sequer conta disso!

Quando o dia terminava e era hora de arrumar a louça, dobrar as mantas, guardar tudo dentro das ceiras de ir à feira e voltar para casa, já estávamos de orelha murcha cheios de saudades uns dos outros. Cada um voltava para suas casas e dormíamos sem sono de tão cansados que estávamos.

Tenho pena que estes dias não se voltem a repetir, mas todos nós crescemos, formamos família, alguns até já nem fazem parte deste mundo... fica a saudade, ficam as boas memórias, ficam as histórias para contar...

 

 

 

 


sinto-me: nostálgica

publicado por magnolia às 22:30
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
|

Quinta-feira, 4 de Dezembro de 2008
Memorias da minha infância

imagem retirada da net

 

Lembro-me que nestes dias de aborrecida chuva fria que entra na pele sem pedir licença e nos enregela os ossos, vinha da escola saltitando pelas poças de água, não tanto evitando-as, mas sim chapinhando-as para ver com alegria a que altura saltavam as pingas geladas. Reunia com o resto dos miúdos do bairro procurando salamandras, que na altura não sei bem porquê as baptizamos de saramelas. Eram bichos feios, repelentes, e que apareciam às dezenas mortos na nossas rua sem carros. Depois íamos subir muros cheios de musgo verde que nos manchava a roupa e invariavelmente dava origem a raspanetes.

Só mesmo quando a noite começava a cair e o frio me punha o nariz vermelho é que voltava para dentro não sem antes a minha avó já me ter chamado umas dez vezes! Sabia tão bem sentir a chuva fria na cara, a liberdade, a natureza no seu estado puro…

Depois da noite cair, secar o cabelo, tirar os sapatos encharcados, pôr uma manta aos ombros, sentava-me em cima da caixa da lenha, aquecendo-me no fogão de lenha, vendo as chamas crepitar e sentindo o aroma da sopa de feijão rajado e da broa acabada de cozer…

 

 

 


sinto-me: nostálgica

publicado por magnolia às 15:54
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

...e mais ainda...
Cláudia Moreira

Cria o teu cartão de visita
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Ideias recentes

Memórias

Memory JukeBox

Memory JukeBox

Memory JukeBox

Memory JukeBox

Memórias registadas em pa...

Memórias Outonais

Memórias

Memórias da minha infânci...

Memorias da minha infânci...

Parte II - Vestida de ros...

Ideias antigas

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Março 2007

Março 2006

tags

todas as tags

links

Uploaded with ImageShack.us
A minha obra:-)
Image Hosted by ImageShack.us
By magicmagnolia
Statistic
Procuras alguma ideia em especial?
 
Quantos andarão por aqui?
web counter
Pub
Ideias em pelicula
Que horas são?


blogs SAPO
subscrever feeds