Falar sobre tudo e mais alguma coisa

Sexta-feira, 20 de Abril de 2012
Não pude deixar de ouvir...

 

...e de me entristecer com o que ouvi. Ontem faltou-me detergente da louça e fui ao supermercado. Como estava com o meu filho pedi-lhe que fosse ele lá buscar e eu esperei no carro, entretida com o livro que ando a ler. Pouco depois levantei os olhos do livro, porque ouvi uma mãe e dois filhos a saírem do supermercado e um deles amuado e a repetir sem parar:

- Tu não gostas de mim!

E a mãe dizia: gosto.

- Tu não gostas de mim porque não me compras o que eu quero!

Repetia o miúdo. O tom de voz era de birra de menino mimado. 

 

Não pude deixar de ouvir e não pude deixar de olhar. Aquela jovem mãe de certeza que está a fazer o melhor que pode e sabe pelos filhos. E aquele miúdo é uma criança, ainda sem maturidade para saber que uma coisa não está ligada à outra. No entanto não pude deixar de me sentir chocada e triste. Desiludida também. 

 

Afinal, que sociedade é esta em que vivemos? Que educação temos e damos? Que valores transmitimos? Quanto valem os sentimentos? E que adultos teremos no futuro? E de quem é a culpa?

 

Talvez a culpa deste exagero consumista em que vivemos seja dos pais porque não têm tempo para os filhos e substituem o amor pelos presentes. Talvez a culpa seja dos empresários que à custa de quererem vender os seus produtos a todo o custo usam e abusam das campanhas de marketing com que nos bombardeiam na rua, na televisão, nas revistas e em todo o lado. Talvez a culpa seja do progresso. Talvez nem seja culpa de ninguém e até fosse um miúdo mau feitio...Talvez não hajam culpados. Pelo menos culpados únicos. Talvez carreguemos todo um pouco essa culpa.

 

Fiquei a pensar nisso. Fiquei com o coração apertado a pensar no futuro de muitas das nossas crianças. Não estaria na hora de reverter um pouco as coisas? Contra mim falo...que também faço parte desta sociedade. Mas pensando bem...acho que sim, que estaria na hora de voltarmos a ensinar as crianças a brincarem ao botão, à macaca, ao lencinho, aos índios e aos cowboys. Se calhar está na hora de deixarmos de nos embalar pela televisão para esquecer o vazio de sentido que nos rodeia e optar pela leitura em conjunto com os nossos filhos ou deixá-los cozinhar connosco mesmo que se sujem e fazem disparates. Está na hora de voltar às coisas simples, ao pão com doce feito em casa e à limonada. talvez esteja na hora de mudar para que nos futuro não vejamos com tristeza os nossos filhos transformados em adultos tristes e inconformados.

 

Digo eu, que não sou versada em nada destes assuntos... 



publicado por magnolia às 13:22
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 24 de Janeiro de 2012
Já tenho18 anos... E agora? - se eu fosse o meu filho pensaria assim...

 

 

 

Há dias fiz 18 anos e embora não me sinta em nada diferente sei que algo está prestes a mudar. É vida de adulto agora, dizem-me. Penso nisso.

 

O que ouço à minha volta não é animador. Crise, falta de dinheiro, falta de oportunidades, desemprego, fome até. Assusta-me um pouco, mas não desanimo. Penso.

 

Estou prestes a terminar o 12º ano na área de informática, a área de que sempre gostei e na qual até acho que me safo bem. No entanto para seguir em frente deparo-me com vários problemas. Não por ordem de gravidade mas apenas a cronológica, o primeiro problema: o exame de acesso que deve ser o de matemática e para o qual não estou preparado. Não vale a pena dizerem-me que tivesse estudado porque não é só esse o problema. O único curso de informática na escola é um curso profissional e o nível da matemática infelizmente não está ao nível do exame de acesso ao ensino superior. Posto isto preciso de um explicador para o qual não tenho dinheiro porque cobram aquilo que um pobre não pode pagar. Esta é primeira barreira. Mesmo que a consiga ultrapassar vejo-me preocupado com a situação familiar. Sei que não possuímos rendimentos familiares para me manter a estudar, logo, preciso de um part-time para ajudar pelo menos a pagar as propinas. Talvez a minha mãe me alimente e vista por mais uns tempos… à custa de sacrifício, sei-o. Mas o curso de informática da escola pública aqui perto de casa é de cinco anos. Serão cinco anos de sacrifícios, penso. Penso e suspiro. Terei 23 anos quando acabar, se tudo correr muito bem. A minha mãe não terá nenhuma folga financeira, porque entretanto a minha irmã também estuda, e eu não terei um tostão para levar uma eventual namorada ao cinema. Suspiro. Depois penso na possibilidade de ter uma bolsa. Talvez a consiga, talvez não. O certo é que a bolsa que me deram no 10º ano já está em metade e é uma ninharia quanto mais o preço da propina. Se me derem a bolsa, não posso esquecer o passe para o metro, comer fora de casa e livros e fotocópias, que pelo converso com amigos são às resmas. Continuo a pensar, valerá a pena o sacrifício? E depois, se tudo correr muito bem e eu conseguir fazer o curso? Que portas se irão abrir para mim neste país? Os jornais dizem que nunca houve tanto desemprego como agora. O governo diz que devemos emigrar. Os professores não sabem se amanhã terão trabalho. As indústrias fecham. As lojas fecham. O estado não emprega. Quantos informáticos terão emprego no futuro? Quantos somos neste pais? Quantos licenciados? Quantos jovens?

Terei 23 anos. Não saberei o que fazer com o diploma. Trabalharei numa caixa de supermercado se entretanto os mesmos não continuarem a despedir. Não saberei para que serviu o meu esforço e o esforço da minha família por tanto tempo. No final serão 17 anos de estudo. Para me animar a fazer esse esforço penso que SE aparecer uma oportunidade estarei preparado. Mas esse SE é tão distante neste momento…

 

Tenho 18 anos e tenho muitas dúvidas. Que será de mim? De nós? Que hei-de fazer? Abandonar já o país em busca de uma vida melhor? Esperar? Que esperança há aí para mim e para outros tantos como eu?  Que esperança nos dão de podermos ter oportunidades? Quem nos deve dar respostas? Desconfio que são aqueles que nos tiram a esperança no futuro e isso deixa-me a pensar. Que país é este em vivo os meus 18 anos? Penso. Suspiro.

 

    



publicado por magnolia às 18:04
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 13 de Agosto de 2008
A casa da saudade


imagem retirada da net


 


 



Nos dias mais tristes ainda choro


Agarrada às lembranças do passado


Finjo que me vou mas não demoro


A voltar para onde tenho estado


 


Tenho estado na casa da saudade


A viver uma vida sem sentido


Onde a dor que sinto é de verdade


O riso as vezes um pouco fingido


 


Um pouco fingido porque custa rir


Quando se sente a falta do amor


Falta de um doce carinho sentir


De um abraço dado com ardor


 


Dado com ardor, dado com desejo


Um abraço terno e carinhoso


Um toque suave, um doce beijo


Terno momento, maravilhoso


 


Maravilhoso e incomparável


É amar e ser amada intensamente


Desejar alguém, ser desejável


E querer a alguém profundamente


 


Profundamente foi como amei


Um dia alguém na minha vida


Quem foi esse amor eu já não sei


É apenas umas lembrança querida


 


Uma lembrança querida é amar


Esse sentimento tão nobre e doce


Que eu queria voltar a tentar


Por mais um minuto que fosse…


 


Magnólia


13-08-08


 



 


 


 



publicado por magnolia às 15:20
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|

Quinta-feira, 31 de Janeiro de 2008
Uma luz ao fundo do tunel...

imagem retirada da net





Uma luz ao fundo do túnel eu vejo

Ainda há uma réstia de esperança

De puder de novo rir como desejo

A vida prossegue lenta mas avança

Sem nunca atrás no tempo voltar

Não me dá uma nova oportunidade

De os meus muitos erros reparar

Olho o passado com serenidade

Não vale a pena lágrimas derramar

Sobre um passado triste e frio

Pois é passado e não mais vai voltar

É assim como a agua de um rio

Olho em frente para um futuro

Que vejo muito negro e incerto

Mas mesmo que seja duro

Tenho que o viver isso é certo

E se um dia ainda puder sorrir

Num futuro próximo ou distante

Um pouco feliz me irei sentir

Mesmo que só por um instante

Essa luz tão fraquinha e pequena

Que brilha no meu firmamento

Diz-me que vale sempre a pena

Ter um sorriso no pensamento….

 


publicado por magnolia às 14:20
link do post | comentar | favorito
|

...e mais ainda...
Cláudia Moreira

Cria o teu cartão de visita
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Ideias recentes

Não pude deixar de ouvir....

Já tenho18 anos... E agor...

A casa da saudade

Uma luz ao fundo do tunel...

Ideias antigas

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Março 2007

Março 2006

tags

todas as tags

links

Uploaded with ImageShack.us
A minha obra:-)
Image Hosted by ImageShack.us
By magicmagnolia
Statistic
Procuras alguma ideia em especial?
 
Quantos andarão por aqui?
web counter
Pub
Ideias em pelicula
Que horas são?


blogs SAPO
subscrever feeds