Falar sobre tudo e mais alguma coisa
Segunda-feira, 30 de Abril de 2012
Torre de Babel

 

 

Quando cheguei ao lugar onde queria ir, o sol estava a pôr-se por detrás duma estranha torre, muito alta e que parecia à beira de ruir a qualquer momento. Tinha caminhado todo dia por caminhos de terra batida e sem sombra e sentia-me muito cansada. A boca seca fazia-me sofrer até ao limite do suportável. Apetecia-me muito um pouco de água fresca e perguntei a um grupo de pessoas que estava ali no caminho, já muito perto da torre, onde poderia encontrar uma fonte.  Olharam-me de forma estranha por breves momentos e depois continuaram a discussão. Estranhei o que ouvi porque não pareciam falar todos a mesma língua. Gesticulavam muito e pensei que poderiam bem começar a agredirem-se a qualquer momento.

Continuei o meu caminho na esperança de encontrar água e algum alimento. Não encontrei água nem alimento mas vi várias pessoas  solitárias, sentadas em pedras que olhavam o céu como se estivessem sozinhas no mundo. Quando cheguei tão perto da torre que lhe poderia tocar se quisesse, fiquei abismada com a sua altura e imponência. Não conseguia deixar de me sentir pequena, minúscula, um pontinho no mundo.

Entrei, sonhando com um pouco de água. Lá dentro várias pessoas andavam dum lado para o outro como se estivessem a falar para uma multidão, mas na verdade ninguém lhes estava a prestar atenção. Falavam linguas diferentes pelo que pude perceber.

Avancei mais um pouco, esperançada em que algum deles falasse a minha própria língua. Mas não, nem uma voz falava a mesma língua que eu. Senti-me perdida ali naquele edifício demasiado grande habitado por demasiadas pessoas estranhas. Corredor após corredor, vi gente tão diferente entre si como nunca antes tinha visto. Todos falavam alto e pareciam zangados, gesticulando como se discutissem com um interlocutor fantasma.

Comecei a sentir-me demasiado assustada, demasiado aflita. Continuava com a boca seca e sentia a cabeça a latejar. Sentia-me só.

Corri. Corri o mais que pude. Atravessei corredores, salas, mais corredores e mais salas. Cheguei a becos sem saída e a varandas que não o eram. Continuei a correr. Só queria encontrar a porta e sair dali. sentia os pulmões sem ar. Sentia-me a sufocar. Mesmo assim não podia desistir de tentar sair daquele lugar confuso e assustador, por isso continuei a correr até à exaustão.

Depois, quando já achava não ser possível, encontrei uma porta que me pareceu dar acesso ao exterior. Felizmente estava certa. A porta estava entreaberta e corri até ela de mãos estendidas para num só gesto abrir e sair. A porta era demasiado pesada e bati com força na madeira grossa e rija. Nos braços surgiu uma dor lancinante do embate. Tentei abrir mais a porta para passar mas não consegui. Encolhi-me e passei pela pequena fresta da porta entreaberta.  Cá fora deixei-me cair sobre os joelhos, dobrei as costas e deixei a cabeça tombar na terra. Estava para lá do limite das minhas forças. Fechei os olhos e coloquei as mãos nos ouvidos. Não queria ouvir mais nada nem ver mais nada daquele estranho lugar. Só queria dormir.

Abri os olhos. Era de manhã e eu estava na minha cama. Afinal tinha sido um sonho. E que sonho! Aliás, um pesadelo. Arranjei-me e desci até à cozinha onde o resto da minha família já estava  tomar o pequeno-almoço. A minha mãe falava com o meu irmão que parecia não entender o que ela dizia. O meu pai lia o jornal e falava com toda a gente mas ninguém fazia questão de o ouvir. A minha irmã reclamava de tudo mas a minha mãe parecia não a entender e respondia coisas que não tinham nada a ver. A minha avó resmungava sozinha enquanto esperava que alguém a servisse.

Engraçado, pensei, muito parecido com o meu sonho. Não tomei o pequeno almoço, peguei numa maça e acenei um “até logo” apressado. Cheguei à escola para o primeiro dia de aulas e a primeira seria de Francês. Seca, pensei. O professor mandou-nos abrir os livros e eu suspirei.

- Meninos, para que entendam a necessidade de estudarem novas línguas vou começar por vos contar uma história. É a história da Torre de Babel.       

 

Por Cláudia Moreira para a Fábrica de Histórias

 

Texto de ficção

 

 

 

 

 

 



publicado por magnolia às 00:13
link do post | comentar | favorito
|

...e mais ainda...
Cláudia Moreira

Cria o teu cartão de visita
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Ideias recentes

Entrudo

Fábula

primavera

música, da boa.

poema simples

A invenção do Amor

we all do have some nost...

manhãs

poema simples

That 'cause sometimes I t...

breve história de uma árv...

O Humor dos outros.

2013 - os livros que li, ...

Feliz Ano Novo!

Porque os livros (também)...

2013 - os livros que li, ...

That 'cause I think of my...

Estes já têm lugar na min...

Quem se lembra?

2013 - os livros que li, ...

Ideias antigas

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Março 2007

Março 2006

tags

todas as tags

links

Uploaded with ImageShack.us
A minha obra:-)
Image Hosted by ImageShack.us
By magicmagnolia
Statistic
Procuras alguma ideia em especial?
 
Quantos andarão por aqui?
web counter
Pub
Ideias em pelicula
Que horas são?


blogs SAPO
subscrever feeds