Falar sobre tudo e mais alguma coisa
Quarta-feira, 28 de Março de 2012
So true...



publicado por magnolia às 16:45
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 25 de Março de 2012
Poema para ti, Mulher...

 

 

 imagem retirada da net

  

Nas tuas mãos perfeitas, muito brancas e macias

Tens o teu filho acabado de nascer.

Constatas então que a perfeição existe

A felicidade também.

Olhas o teu filho com olhos muito abertos

Porque queres que caiba todo dentro desse olhar.

Sabes que será teu para sempre.

Para sempre. Sempre.

Mesmo que a palavra “sempre” exija tanto de ti

Um compromisso imenso

Absolutamente inquebrável

Sabes que será assim.

Para sempre.

Mesmo assim, queres nesse preciso momento retê-lo

Todo dentro dos teus olhos.

Para memória futura.

Porque tu sabes que ele um dia irá crescer

Que deixará de ser esse ser indefeso

Que agora te cabe na palma da mão.

Um dia vais levá-lo à escola de bibe e lancheira colorida

Mas ele regressará sozinho.

Crescido. Pronto para viver.

E liberto das tuas mãos protectoras ganhará asas

E voará

Alto, muito alto nos céus onde tu não poderás ir

E o teu coração viverá apertadinho

Muito pequenino

Do tamanho de um botão.

Mesmo pequenino estará sempre pronto

Juntamente com os teus braços

Abertos.

À espera. Pacientemente à espera.

Dar-lhe-ás então o melhor colo do mundo!

E beijos.

E amor.

Vais estar sempre ali, com ele e para ele.

Sempre com um sorriso estampado no rosto.

Mesmo que o teu dia tenha sido doloroso

Que te sangrem os pés

Ou que a tua alma esteja feita em pedaços.

Mesmo que as lágrimas ácidas queiram explodir nos teus olhos

E só te apeteça deitar a cabeça na almofada.

Vais estar sempre ali, com ele e para ele.

Vais ensinar-lhe as primeiras palavras.

Mamã, papá, água, papa.

Quando trouxer um joelho rasgado pelas pedras da calçada

Vais lá colocar carinhosamente um beijo

E noutros dias dar-lhe-ás abraços muito apertados

E dir-lhe-ás: não faz mal, arranjas outra namorada.

Quando não conseguir aquele emprego

Ou quando se zangar a primeira vez com a esposa.

Estarás lá. Sempre.

Serás sempre a sombra que o acompanha

A guardiã delicada e silenciosa.

Em todas as noites escuras de pesadelos

Ou em dias frios de agreste tempestade

E as tuas palavras doces serão feitas de magia

Mais ninguém será capaz de habitar a sua alma.

E de o aceitar como ele é

Que faça grandes disparates e diga coisas sem pensar

Estarás sempre ali para o teu filho.

Com um colo generoso se lhe apetecer chorar.

E quando quiser rir, não tenhas dúvidas com quem o vai fazer.

E quando ele tiver o primeiro filho vais lá estar

E será um pouco teu filho também

Mulher, tu tens tanta sorte

Do nada criaste um milagre dentro de ti

Um milagre.

O mais belo, o mais terno, o mais maravilhoso de todos os milagres

Uma nova pessoa. Uma nova alma.

Um amor incondicional que viverá sempre, sempre dentro de ti.

E sempre nos teus braços.

E não há amor maior do que esse.

Porque nem a morte é capaz de apagar o amor de mãe.

Então a perfeição existe.

A felicidade também.

 

Por Cláudia Moreira

 

 


tags: ,

publicado por magnolia às 17:48
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Sexta-feira, 23 de Março de 2012
Importante



publicado por magnolia às 17:12
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 20 de Março de 2012
É Primavera finalmente!

 

 

Nas ruas da cidade as árvores já não estão despidas. Vejo-as engalanadas de folhas verdes e florzinhas brancas ou cor-de-rosa, tão bonitas como jovens debutantes a preparem-se para a sua primeira festa. Antes delas já as magnólias floriram, belíssimas, sorridentes nas suas roupagens de gala. Foram as primeiras a dizer que a Primavera chegou. As suas flores são as mais madrugadoras da estação. É como se tivessem que ser elas a dar a partida para a corrida mais colorida de todas, a Primavera!

Das varandas pendem as Frésias, as Flores-de-mel, as Begónias e os Fetos. As ruas enchem-se de cor. É Primavera finalmente!, apetece gritar.

Gosto de andar pelas ruas e de ser obrigada a quase fechar os olhos pela claridade da tarde. Gosto que me apeteça sorrir por causa dela.

Nos jardins os lírios são de muitas cores e os amores-perfeitos, ai os amores-perfeitos!, são de delicado veludo, muito mais que perfeitos. Lindos! E eu gosto tanto!

Mas a verdade é que só acredito mesmo que a Primavera chegou quando dou o primeiro passeio pelos campos verdes, salpicados pelas flores silvestres, brancas e amarelas. Quando apanho uma papoila para pôr no cabelo e quando os fiapos de nuvens salpicam os céus de azul eléctrico.

Adoro esses passeios sem hora de voltar. Gosto tanto de andar devagar, respirar fundo, gosto de sentir a frescura da erva nas pernas e o aroma da terra misturado com o cheiro doce das flores. Faz-me bem pensar que o mundo se renova completamente! Que um bolbo feio se transforma numa bela flor miraculosamente. É bom perceber que uma árvore cujos braços estavam nus, erguidos aos céus numa suplica por vida, estão agora cobertos de cor e de frescura. Nos campos, antes nus, há agora vida a crescer, impaciente.

A natureza luxuriante é agora a rainha da festa. Aquela que todos querem ver e a quem todos dedicam honras especiais. É Primavera! É tempo de abrir as janelas e deixar entrar o ar fresco do dia nos pulmões saturados de bafio, é tempo de abrir a mente a novas ideias, é tempo de substituir sentimentos cinzentos por outros mais coloridos. É tempo de deixar o Inverno para trás e recomeçar, renovados, como se a vida começasse hoje outra vez.  

 

 

Por Cláudia Moreira 


tags:

publicado por magnolia às 16:09
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 19 de Março de 2012
Poema para ti, Mulher

imagem retirada da net

 

  

Nas tuas mãos perfeitas, muito brancas e macias

Tens o teu filho acabado de nascer.

Constatas então que a perfeição existe

A felicidade também.

Olhas o teu filho com olhos muito abertos

Porque queres que caiba todo dentro desse olhar.

Sabes que será teu para sempre.

Para sempre. Sempre.

Mesmo que a palavra “sempre” exija tanto de ti

Um compromisso imenso

Absolutamente inquebrável

Sabes que será assim.

Para sempre.

Mesmo assim, queres nesse preciso momento retê-lo

Todo dentro dos teus olhos.

Para memória futura.

Porque tu sabes que ele um dia irá crescer

Que deixará de ser esse ser indefeso

Que agora te cabe na palma da mão.

Um dia vais levá-lo à escola de bibe e lancheira colorida

Mas ele regressará sozinho.

Crescido. Pronto para viver.

E liberto das tuas mãos protectoras ganhará asas

E voará

Alto, muito alto nos céus onde tu não poderás ir

E o teu coração viverá apertadinho

Muito pequenino

Do tamanho de um botão.

Mesmo pequenino estará sempre pronto

Juntamente com os teus braços

Abertos.

À espera. Pacientemente à espera.

Dar-lhe-ás então o melhor colo do mundo!

E beijos.

E amor.

Vais estar sempre ali, com ele e para ele.

Sempre com um sorriso estampado no rosto.

Mesmo que o teu dia tenha sido doloroso

Que te sangrem os pés

Ou que a tua alma esteja feita em pedaços.

Mesmo que as lágrimas ácidas queiram explodir nos teus olhos

E só te apeteça deitar a cabeça na almofada.

Vais estar sempre ali, com ele e para ele.

Vais ensinar-lhe as primeiras palavras.

Mamã, papá, água, papa.

Quando trouxer um joelho rasgado pelas pedras da calçada

Vais lá colocar carinhosamente um beijo

E noutros dias dar-lhe-ás abraços muito apertados

E dir-lhe-ás: não faz mal, arranjas outra namorada.

Quando não conseguir aquele emprego

Ou quando se zangar a primeira vez com a esposa.

Estarás lá. Sempre.

Serás sempre a sombra que o acompanha

A guardiã delicada e silenciosa.

Em todas as noites escuras de pesadelos

Ou em dias frios de agreste tempestade

E as tuas palavras doces serão feitas de magia

Mais ninguém será capaz de habitar a sua alma.

E de o aceitar como ele é

Que faça grandes disparates e diga coisas sem pensar

Estarás sempre ali para o teu filho.

Com um colo generoso se lhe apetecer chorar.

E quando quiser rir, não tenhas dúvidas com quem o vai fazer.

E quando ele tiver o primeiro filho vais lá estar

E será um pouco teu filho também

Mulher, tu tens tanta sorte

Do nada criaste um milagre dentro de ti

Um milagre.

O mais belo, o mais terno, o mais maravilhoso de todos os milagres

Uma nova pessoa. Uma nova alma.

Um amor incondicional que viverá sempre, sempre dentro de ti.

E sempre nos teus braços.

E não há amor maior do que esse.

Porque nem a morte é capaz de apagar o amor de mãe.

Então a perfeição existe.

A felicidade também.

 

Por Cláudia Moreira

 

 


tags: ,

publicado por magnolia às 15:44
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 18 de Março de 2012
Partir

imagem retirada da net

 

 

Parti noite escura
Numa casca de noz.
Agarrei as amuradas finas e frágeis 
E não hesitei.
Avancei.
Icei uma vela feita só do meu querer
E não olhei para trás uma única vez.
Parti em busca do mundo. 



Por Cláudia Moreira


tags:

publicado por magnolia às 23:42
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 17 de Março de 2012
Yes, it is!

imagem rerirada da net



publicado por magnolia às 16:39
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 12 de Março de 2012
Onde vive a minha musa?

 

 

A folha de papel branco estava à minha frente e só esperava que eu ganhasse coragem para escrever. Eu olhava o papel em branco e esperava a inspiração necessária para começar. Olhei o tecto que conservava muito pouco do branco original e não vi lá nenhuma resposta para o meu problema. Era obvio que não era lá que estava minha musa inspiradora. Nas paredes rachadas do meu velho quarto também não. Na minha cama por fazer também não e nem no caixote do lixo cheio de folhas amarrotadas. Onde andaria ela? Há alguns dias que não aparecia. Queria escrever um texto fantástico. Queria escrever algo que se transformasse num best-seller e mas tarde, depois da minha morte, um mito. Estava desesperada que chegasse aquele rasgo de inspiração. Levantei-me e peguei no casaco. A noite já tinha caído e as estrelas pontilhavam o céu. Pensei que poderiam ser elas as minhas musas desta noite. Vesti o casaco e caminhei vagarosamente pela margem do Douro. Olhei as casas, os candeeiros públicos aqui e ali no meio do casario como estrelas na terra, olhei a ponte Luis I iluminada. As luzes todas da cidade a reflectirem no rio, era uma das imagens mais bonitas do mundo! Qual Paris, qual Roma, qual quê? O Porto! Maravilhoso, lindo e simples como se quer. O casaco já me pesava pelas temperaturas primaveris. Era agradável o passeio, tão agradável que não me apetecia voltar ao quarto velho e frio para olhar para uma folha de papel vazia. Caminhei até à ponte e passei para a outra margem. O rio visto da ponte é ainda mais bonito. A cidade vista da ponte é ainda mais bonita. E o céu é lindíssimo. É como se o rio reflectisse o firmamento estrelado. Ou será que é o céu que reflecte o rio que reflecte as luzes da cidade? Caminhei de mãos nos bolsos muito tempo e nem dei pelo tempo passar. Era tarde já e eu continuei a caminhar, embrenhada na contemplação da paisagem e em reflexões sobre a minha escrita. Precisa desesperadamente de ideias. E elas ocorriam-me em catadupa, mas na hora de as escrever tudo me parecia simples demais, pobre, quase um insulto ao papel. Estava muito longe de casa. Era hora de voltar. No caminho de regresso, olhei atentamente à minha volta a ver se estava por ali a minha musa inspiradora. Além da paisagem olhei nos rostos desconhecidos que passavam por mim, olhei os cães que seguiam os seus donos pela trela, olhei os patos escondidos nos seus ninhos para dormir, olhei os pombos que arrulhavam nos beirais cheios de sono. Procurei a minha musa em cada um deles, nas pedras das pontes, das casas e da rua. Procurei nas árvores, nas folhas que se desprendem das mesmas e voam, serenas até ao chão. Nas magnólias de cores vistosas que já cobrem a cidade. Cheguei à minha rua e os cafés estavam a fechar as portas. O gato da vizinha estava a minha porta. Não se arrumou para eu passar. O cheiro do Verão começava a fazer-se sentir. No meu velho quarto a brisa suave da noite fazia a cortina dançar. A folha de papel estava no chão. Apanhei-a e fui fechar a janela, pronta a deitar-me e desistir. Pela janela vi o rio, e a cidade do lado de lá. Uma estrela pareceu desprender-se do céu e cair na terra. Pensei que poderia descrever tudo o que vi. Poderia falar de tudo o que senti. Pensei então que se calhar não tinha uma musa inspiradora, mas muitas. Talvez a minha musa fosse tudo o que me rodeia. Talvez fosse o mundo e todo o universo e o infinito. Talvez afinal a inspiração estivesse apenas dentro de mim. Talvez vivesse dentro de mim. talvez tivesse vivido sempre.

Sentei-me na cadeira e peguei na caneta. A folha branca à minha frente já não tinha muito que esperar. Eu estava pronta.    

             

 

Por Cláudia Moreira para a Fábrica de Histórias



publicado por magnolia às 00:45
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|

Sexta-feira, 9 de Março de 2012
Importante

foto retirada do google

 



publicado por magnolia às 15:26
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 4 de Março de 2012
The Fantastic Flying Books of Mr. Morris Lessmore

tags: ,

publicado por magnolia às 23:28
link do post | comentar | favorito
|

...e mais ainda...
Cláudia Moreira

Cria o teu cartão de visita
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Ideias recentes

Entrudo

Fábula

primavera

música, da boa.

poema simples

A invenção do Amor

we all do have some nost...

manhãs

poema simples

That 'cause sometimes I t...

breve história de uma árv...

O Humor dos outros.

2013 - os livros que li, ...

Feliz Ano Novo!

Porque os livros (também)...

2013 - os livros que li, ...

That 'cause I think of my...

Estes já têm lugar na min...

Quem se lembra?

2013 - os livros que li, ...

Ideias antigas

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Março 2007

Março 2006

tags

todas as tags

links

Uploaded with ImageShack.us
A minha obra:-)
Image Hosted by ImageShack.us
By magicmagnolia
Statistic
Procuras alguma ideia em especial?
 
Quantos andarão por aqui?
web counter
Pub
Ideias em pelicula
Que horas são?


blogs SAPO
subscrever feeds