Falar sobre tudo e mais alguma coisa
Terça-feira, 31 de Janeiro de 2012
J. Edgar
Para quem não conhece a história, como eu não conhecia, vale a pena ver!


publicado por magnolia às 14:19
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 28 de Janeiro de 2012
Bom fim-de-semana!



publicado por magnolia às 12:06
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 27 de Janeiro de 2012
02 - Há vizinhos...

...de que gostamos muito.

 

 

 



publicado por magnolia às 11:47
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 26 de Janeiro de 2012
Importante



publicado por magnolia às 09:57
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 25 de Janeiro de 2012
Importante



publicado por magnolia às 14:25
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 24 de Janeiro de 2012
Já tenho18 anos... E agora? - se eu fosse o meu filho pensaria assim...

 

 

 

Há dias fiz 18 anos e embora não me sinta em nada diferente sei que algo está prestes a mudar. É vida de adulto agora, dizem-me. Penso nisso.

 

O que ouço à minha volta não é animador. Crise, falta de dinheiro, falta de oportunidades, desemprego, fome até. Assusta-me um pouco, mas não desanimo. Penso.

 

Estou prestes a terminar o 12º ano na área de informática, a área de que sempre gostei e na qual até acho que me safo bem. No entanto para seguir em frente deparo-me com vários problemas. Não por ordem de gravidade mas apenas a cronológica, o primeiro problema: o exame de acesso que deve ser o de matemática e para o qual não estou preparado. Não vale a pena dizerem-me que tivesse estudado porque não é só esse o problema. O único curso de informática na escola é um curso profissional e o nível da matemática infelizmente não está ao nível do exame de acesso ao ensino superior. Posto isto preciso de um explicador para o qual não tenho dinheiro porque cobram aquilo que um pobre não pode pagar. Esta é primeira barreira. Mesmo que a consiga ultrapassar vejo-me preocupado com a situação familiar. Sei que não possuímos rendimentos familiares para me manter a estudar, logo, preciso de um part-time para ajudar pelo menos a pagar as propinas. Talvez a minha mãe me alimente e vista por mais uns tempos… à custa de sacrifício, sei-o. Mas o curso de informática da escola pública aqui perto de casa é de cinco anos. Serão cinco anos de sacrifícios, penso. Penso e suspiro. Terei 23 anos quando acabar, se tudo correr muito bem. A minha mãe não terá nenhuma folga financeira, porque entretanto a minha irmã também estuda, e eu não terei um tostão para levar uma eventual namorada ao cinema. Suspiro. Depois penso na possibilidade de ter uma bolsa. Talvez a consiga, talvez não. O certo é que a bolsa que me deram no 10º ano já está em metade e é uma ninharia quanto mais o preço da propina. Se me derem a bolsa, não posso esquecer o passe para o metro, comer fora de casa e livros e fotocópias, que pelo converso com amigos são às resmas. Continuo a pensar, valerá a pena o sacrifício? E depois, se tudo correr muito bem e eu conseguir fazer o curso? Que portas se irão abrir para mim neste país? Os jornais dizem que nunca houve tanto desemprego como agora. O governo diz que devemos emigrar. Os professores não sabem se amanhã terão trabalho. As indústrias fecham. As lojas fecham. O estado não emprega. Quantos informáticos terão emprego no futuro? Quantos somos neste pais? Quantos licenciados? Quantos jovens?

Terei 23 anos. Não saberei o que fazer com o diploma. Trabalharei numa caixa de supermercado se entretanto os mesmos não continuarem a despedir. Não saberei para que serviu o meu esforço e o esforço da minha família por tanto tempo. No final serão 17 anos de estudo. Para me animar a fazer esse esforço penso que SE aparecer uma oportunidade estarei preparado. Mas esse SE é tão distante neste momento…

 

Tenho 18 anos e tenho muitas dúvidas. Que será de mim? De nós? Que hei-de fazer? Abandonar já o país em busca de uma vida melhor? Esperar? Que esperança há aí para mim e para outros tantos como eu?  Que esperança nos dão de podermos ter oportunidades? Quem nos deve dar respostas? Desconfio que são aqueles que nos tiram a esperança no futuro e isso deixa-me a pensar. Que país é este em vivo os meus 18 anos? Penso. Suspiro.

 

    



publicado por magnolia às 18:04
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 19 de Janeiro de 2012
01- Há vizinhos...

 ...de que gostamos muito!

 



publicado por magnolia às 17:05
link do post | comentar | favorito
|

Andar para trás...

 

 

 

 

 

...foi coisa que nunca gostei. E agora definitivamente andamos a dar passos atrás. Até onde isto poderá ir? Ou melhor, até onde vamos deixar que isto vá?



publicado por magnolia às 14:12
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 18 de Janeiro de 2012
Cinema

Por Cláudia Moreira para o blog Junkeira o texto "Cinema"

 

 

O Outubro tinha acordado fresco. Ela envergava um casaco azul céu de fazenda gasta e caminhava devagar, exibindo as pernas longas e belas, através das ruas pejadas de folhas coloridas. Ele vislumbrou apenas o casaco azul a entrar na porta do velho cinema antes de entrar também. O cinema já tinha visto melhores dias. A tinta a descascar das paredes, os velhos posters na parede a enrolar nas pontas, o cheiro a mofo, sinais da decrepitude de um edifício que outrora tinha sido majestoso. As matinés eram os filmes gastos, presos dentro de gastas bobines metálicas. Sentaram-se quase lado a lado, sem querer. Pelo canto do olho ele viu o perfil dela. Um nariz perfeito, um queixo perfeito, umas pestanas longas a sobressair nas sombras. Viram a dois, separados por alguns lugares, o clássico “The Swing Time”. Na tela, a Ginger e o Fred dançavam maravilhosamente bem, sorrindo, incansáveis, um para o outro. Na sala de cinema ela sorriu e ele também. Depois, sorriram um para o outro. A falta de mais espectadores na sala dava-lhes a condição de quase íntimos, como se estarem apenas ali os dois lhe desse a dispensa das apresentações formais e consequente conhecimento.

Nas tardes que se seguiram sentaram-se timidamente lado a lado. Sozinhos na sala. Sempre sozinhos na sala. Nestas tardes de Outubro o cinema parecia abrir as portas apenas para eles. Depois do “The Swing Time” seguiu-se o “Os homens preferem as loiras” e depois o “O pecado mora ao lado” e depois o “Prisioneiro do passado” e depois outros clássicos, muitos outros clássicos.

Foi durante o “Casablanca” que aconteceu o inevitável. A mão dele invadiu o espaço dela e tocou-lhe ao de leve a pele macia da mão. Depois agarrou-a com avidez. Era quente. A dele também. Olharam-se profundamente. Depois, ao som da música um pouco roufenha que saia algures das paredes e esquecidos do projeccionista, trocaram o primeiro beijo. Trocaram um beijo de cinema. A cara um pouco de lado, olhos fechados e a respiração suspensa. O beijo de cinema depressa se transformou num beijo arrebatado. Apaixonado. O fresco de Outubro já não o era e a sala pareceu-lhe subitamente mais pequena. Na tela o Humphrey beijou a Ingrid. Eles não viram. Os rostos afogueados, as mãos irrequietas, as bocas sôfregas. Abraçaram-se sem se importarem que os braços das cadeiras os magoassem nos braços, na barriga, nas ancas. Ela sentiu o cheiro ténue da transpiração dele. Ele sentiu a fragância a flores que emanava da pele dela. Olharam-se nos olhos e estavam tão próximos que os seus hálitos se fundiram. E essa fusão era boa e era doce. Beijaram-se novamente.

Não ficaram até ao final do filme.

Não se despediram da Ingrid e do Humphrey.

O projeccionista não os viu sair.

Havia agora mais um filme de amor a fazer. Tinham o mundo por cenário e eles já eram os actores principais.    



publicado por magnolia às 14:36
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 13 de Janeiro de 2012
Importante



publicado por magnolia às 10:47
link do post | comentar | favorito
|

...e mais ainda...
Cláudia Moreira

Cria o teu cartão de visita
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Ideias recentes

Entrudo

Fábula

primavera

música, da boa.

poema simples

A invenção do Amor

we all do have some nost...

manhãs

poema simples

That 'cause sometimes I t...

breve história de uma árv...

O Humor dos outros.

2013 - os livros que li, ...

Feliz Ano Novo!

Porque os livros (também)...

2013 - os livros que li, ...

That 'cause I think of my...

Estes já têm lugar na min...

Quem se lembra?

2013 - os livros que li, ...

Ideias antigas

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Março 2007

Março 2006

tags

todas as tags

links

Uploaded with ImageShack.us
A minha obra:-)
Image Hosted by ImageShack.us
By magicmagnolia
Statistic
Procuras alguma ideia em especial?
 
Quantos andarão por aqui?
web counter
Pub
Ideias em pelicula
Que horas são?


blogs SAPO
subscrever feeds