Falar sobre tudo e mais alguma coisa
Domingo, 27 de Setembro de 2009
Tudo é possível quando se acredita o suficiente

 


imagem retirada da net


 






Isabel tinha finalmente conhecido o anão e eu estava sentada debaixo da laranjeira mais antiga na casa da minha avó. Segurava no colo o livro que me tinham dado no aniversário com muito cuidado. Era a história de uma menina chamada Isabel que costumava brincar numa floresta e que um dia encontrou uma enorme árvore de raízes que saiam do chão. Nessas raízes Isabel construiu uma casa para o seu amigo anão. Tornaram-se amigos. Muito amigos.


Eu olhei para a laranjeira e desejei que essa laranjeira também tivesse raízes que saíssem do chão. Desejei viver numa floresta mágica como a do livro. Desejei que alguma coisa de novo acontecesse na minha vida monótona.


Estava assim nestes pensamentos quando de repente um barulho estranho me chamou a atenção. Olhei para todos os lados e não vi nada de estranho. Voltei ao livro. Voltei a ouvir o barulho estranho e levantei-me. Ali bem próximo do muro que separava o quintal do bosque estava um coelho. Era o coelho mais bonito que eu alguma vez tinha visto. Muito grande, de pelo sedoso e olhos brilhantes. Senti que um sorriso se formou nos meus lábios. Pareceu-me que o coelho também estava a sorrir.


“Que parva que sou. Os coelhos não sabem sorrir!”


Andei um bocadinho para mais perto do coelho, mas ele começou a andar para o muro. Parei. Mas o coelho parou também e olhou para trás. Eu avancei novamente e ele também avançou. Depois parei novamente, porque já estava mesmo perto do muro. Mas o coelho voltou a parar como se me esperasse. Eu então resolvi ir atrás dele. Ele passou num pequeno buraco no muro. Por sorte eu também cabia.


“Que estranho. Nunca tinha visto este buraco…”


Entramos no bosque e o coelho ia olhando para trás, atento. Ele queria mesmo que eu o seguisse! Andamos bastante até que finalmente o pequeno coelho parou. Fui até ao pé dele e procurei por ali a ver o que me quereria ele mostrar.


- Os meus filhos estão ali dentro…


“O coelho falou?”


- Ajudas-me? Há uma raposa que está sempre a tentar apanhar…


“O coelho falou mesmo?”


- Por favor…


“Enlouqueci, só pode ser esta a explicação”


- Por favor menina…


Esfreguei os olhos, tapei os ouvidos. Nada resultou. O coelho, ou melhor, a coelha, continuava ali a olhar para mim e a pedir ajuda.


Eu só pensava que estava maluca! Os coelhos não falam!


- Foi o anão da árvore que me disse para te pedir ajuda…


- O anão da árvore?


- Sim, o anão da árvore do bosque encantado! Ele é meu amigo…


E sorria novamente. A coelha sorria mesmo! Era difícil de acreditar.


- Anão da árvore? Bosque encantado? De que estas a falar coelhinha?


- Tu sabes de quem estou a falar. Do teu amigo anão! Foste tu que lhe construíste a casa!


“Anão? Bosque encantado? Casa? Isabel? Isabel? Eu não sou a Isabel! Eu estava dentro da história?“ e soltei uma gargalhada! Só podia estar maluca!


- Por favor ajuda-me! A raposa vem ai de novo!


Ela parecia tão aflita que eu fui atrás. Numa pequena cova no chão estavam lá três coelhinhos muito pequeninos. Era tão bonitos e tão fofinhos! Agarrei-os e embrulhei-os na minha camisola.


- Pronto, pronto. Não fiquem assustados… eu vou tratar de vocês.


Mas mal disse isto olhei em frente e lá estava a raposa a olhar para nós. Rosnou e pude ver-lhe os dentes afiados. Tive um certo receio mas não me deixei intimidar. Peguei na mãe coelha e juntei-as aos filhos dentro da minha camisola e assim saímos dali bem depressa antes que a raposa nos alcançasse. Corri o mais que pude ate ao buraco no muro, a raposa sempre atrás de nos. Depois de repente ouvi um tiro. O meu coração saltou de medo. Não podia deixar que ninguém fizesse mal aos coelhinhos! Talvez fosse um caçador e se visse o coelhos não mos iria deixar levar.  Olhei para trás e vi a raposa no chão. Estava morta. O caçador devia já estar mesmo muito perto. Passamos rapidamente pelo buraco no muro e corri até perto da laranjeira. Depois pousei os coelhinhos no chão e corri a tapar o buraco. Depois arranjei uma caixa de cartão e uma camisola velha e pus lá a mamã e os seus filhotes.


Tinha sido uma aventura e tanto!


- Obrigada menina…


A coelhinha estava com ar tão feliz…


- Os coelhos não falam e eu estou maluca!


- Tudo é possível se acreditarmos o suficiente nisso…


E eu fiquei a pensar naquilo. Encostei a cabeça na árvore e fiquei a olhar a caixa com os coelhinhos a ver a mãe fazer um ninho para os pequeninos com pequenos pedaços de pêlo.


Creio que adormecei um bocadinho. O meu primeiro pensamento foi de ver os coelhinhos. Ao meu lado estava u livro e a minha camisola toda amarrotada, mas os coelhinhos não estavam.


“Pois claro, sonhei”


E até me ri de mim própria por ter pensado ser possível ter conhecido um coelho que falava! Levantei-me para ir para dentro, mas ao passar pelo muro não resisti a olhar para o lugar onde tinha visto o buraco no meu sonho. E fiquei de boca aberta! Estava lá o buraco! Era mesmo estranho que nunca o tivesse visto! Encolhi os ombros e entrei em casa.


“Estou a ficar maluca!”


- Olá filha! Anda ver a raposa que o teu tio apanhou ai atrás no bosque!


Eu olhei para o quintal e só me lembrei das palavras da coelhinha: tudo é possível quando acreditamos o suficiente…


 


 




publicado por magnolia às 23:45
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Sexta-feira, 25 de Setembro de 2009
Falta de tempo

A falta de tempo quando ataca é como uma lapa: agarra-se a mim e não quer largar! Estou cansada de não ter tempo para nada, de dar a atenção merecida aos blogs, à escrita, aos mails, aos amigos....

 

Preciso de uma informação valiosa: alguem sabe onde se vende tempo a granel?

imagem retirada da net

 

 

 

Por isso, passei por cá para deixar

 

e desejar:

 


sinto-me: ufa...
tags:

publicado por magnolia às 16:54
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

Terça-feira, 22 de Setembro de 2009
Muse - Pavilhão Atlantico - 29-11-2009

imagem retirada da net

 

 

Não há nada como ter bons contactos!!

Obrigada!!!


sinto-me: :)
tags:

publicado por magnolia às 11:09
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

Segunda-feira, 21 de Setembro de 2009
Muse - Bilhetes precisam-se!

imagem retirada da net

 

 

 

Precisam-se bilhetes para o concerto dos

Muse

no Pavilhão Atlantico em Novembro!!!

 

Muito Importante!!

 

tenho umas meninas muito tristes em casa (irmãs) porque os bilhetes estão esgotados!!!

 

Preciso de 3 a 7 bilhetes a preço módico, é evidente, para podermos ir todos a Lx, ou pelo menos os mais aficionados!!!

Muiiiiiiiiiiiiiiiito obrigada!!

 


sinto-me: :)
tags:

publicado por magnolia às 11:18
link do post | comentar | ver comentários (37) | favorito
|

Sábado, 19 de Setembro de 2009
Outono

imagem retirada da net

 

Chegou assim sem avisar, de mansinho, caladinho, e instalou-se.

As folhas há muito que atapetam o chão, mas o calor não me fez dar importancia a isso. Bem as vi, no parque, nas beiras de estrada, colorindo o chão de muitas cores, mas fiz de conta que era normal...

O frio leve de Outono já obriga a vestir uma malhinha e podemos guardar as sandálias por uns meses. E a chuvinha faz desejar o quentinho do sofá e vem limpar o pó que o calor do Verão deixou por todo o lado.

Voltamos a querer acender a lareira, o chá quentinho, o cinema nas tardes de Domingo. Voltamos a querer estar em casa, quietinhos depois de bulicio do Verão.

Eu gosto do Outono. Deste tempo de tranquilidade e acalmia, do cheiro a livros novos, das cores que enfeitam as árvores, dos recomeços e das promessas de coisas novas. Do meu aniversário. Gosto. É verdade que gosto do Outono. Gosto. Gosto e pronto.

Sê benvindo Outono!

 

 


sinto-me: outonal
tags:

publicado por magnolia às 10:25
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|

Quinta-feira, 17 de Setembro de 2009
E hoje...

...andei a escrever por aqui...


sinto-me: :)

publicado por magnolia às 12:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Regresso a Madison County

imagem retirada da net


 


 


 


Quando iniciei a escrita desta história para a Fábrica tinha intenções de escrever algo sobre um dos momentos desses quatro dias retratados no filme, mas depois a unica coisa que me apeteceu mesmo fazer foi mudar o final da história. Todas as histórias de amor devem ter direito a um final feliz...


 


 


 


Francesca estava sentada na ponte que Robert tinha escolhido para fotografar em primeiro lugar. Mais uma vez tinha ido ali para reviver um pouco aqueles quatro dias de paixão avassaladora que passara com Robert. Ela bem sabia que tomara a decisão certa, mas de vez em quando as lembranças atingiam-na como punhais e ela deixava sair um pouco da sua mágoa. Era para ali que ia sempre nessas ocasiões e a verdade é que nenhum sitio poderia ser melhor que aquele.


Levantou-se e caminhou pela ponte coberta onde tinha estado com Robert. Não disfarçou sequer as lágrimas que lhe corriam pelo rosto. O eco dos seus passos no piso de madeira da ponte era exactamente igual ao eco dos seus passos uns anos antes. A diferença é que agora não era acompanhado por outro conjunto de passos…


Lembrou cada detalhe do rosto de Robert. Não era bonito, mas tinha um charme indiscutível. Além disso, em cada traço do seu rosto tinha lido honestidade, no seu olhar tinha lido paixão, nas suas mãos sôfregas uma imensa ternura. Um primeiro olhar tinha sido o suficiente para arrebatar o seu coração. Depois desse instante a sua vida mudou para sempre.


Depois de atravessar a ponte continuou a caminhar sem rumo. Viu as colinas que tinham visto os dois de mão dada, viu os campos em flor que anos antes tinham percorrido a correr como crianças.


Tinha renunciado ao seu amor verdadeiro por uma causa nobre: a família. Perguntava-se agora se teria valido a pena. O marido tinha ido embora em busca de algo a que ele chamava felicidade. Francesca sabia que ele tinha outra mulher. Os filhos há muito que haviam partido para a cidade em buscar de uma vida melhor. Francesca sentia que tinha tomado a atitude certa, mas que tinha sido muito pouco recompensada por isso. E isso deixava-a sempre angustiada e triste.


Tinha saudades de Robert. Saudades de o sentir, de o ouvir, de o amar. Tinha saudades de Robert que apenas eram atenuadas quando ouvia falar dele. As suas reportagens eram muito conhecidas. A publicidade à volta dele era grande e por isso estavam sempre a surgir referencias ao seu nome.


Francesca sentou-se debaixo de uma árvore perdida no campo. Era talvez o Verão mais quente dos últimos anos. Lamentou não ter um pouco de água para se refrescar. Depois fechou um pouco os olhos. A imagem que lhe aparecia nos pensamentos era a de Robert. Era sempre a de Robert.


Ouviu um restolhar ligeiro perto de si e abriu os olhos. À sua frente estava Robert tal e qual como o viu da última vez. Maquina fotográfica ao pescoço e chapéu de abas. Achou que estava a sonhar e esfregou os olhos. Mas a imagem que viu continuava ali e sorria. Não podia ser verdade…


 


- Tive esperança de te encontrar querida…


 


Francesca nada disse, apenas se lançou ao pescoço de Robert. Era mesmo verdade! Ele estava ali…Tinha desejado tanto aquele momento…


 


- Vieste querido Robert…Tive tantas saudades tuas…


 


- Ainda me queres?


 


- Todos os dias…


 


Caminharam de mãos dadas para casa. Riam como miúdos. Não fariam planos. Tentariam apenas ser felizes em cada dia de todos os dias que tivessem até ao fim dos seus dias...


 


 


 


 


Texto de ficção para a Fábrica das Histórias por Cláudia Moreira


 


 


 



publicado por magnolia às 11:47
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
|

Segunda-feira, 14 de Setembro de 2009
Regresso às aulas!

imagem retirada da net

 

E pronto....começaram as aulas!

Começa hoje uma nova etapa da vida dos meus filhos. Cada um deles vai iniciar um novo ciclo em novas escolas. A Ana vai começar o quinto ano. Custou-em tanto deixá-la sozinha na paragem do autocarro...parecia que a estava a abandonar...Preciso de me convencer que tenho que a deixar crescer...

 

O André começou hoje o décimo ano. Agora está numa escola de gente mais crescida e vai ter que provar o que vale. Escolheu um curso técnico de programação e gestão de redes. Nem acredito que já tenho um filho tão crescido...ainda ontem era bebé... e hoje já é um homem...

 

Agora estou em pulgas para saber como correu!

 


sinto-me: apreensiva e ansiosa
tags: ,

publicado por magnolia às 10:47
link do post | comentar | ver comentários (13) | favorito
|

Quinta-feira, 10 de Setembro de 2009
Poema nocturno

 


imagem retirada da net


 


 


 



A noite caiu ligeira e todo o céu escureceu



 



Chorei



 



Senti-me só e o meu coração não compreedeu



 



O porquê de tanta raiva e amargura



 



O porque de tantas palavras ditas com secura



 



Chorei



 



No silêncio da noite eu chorei



 



Pelo silencio igual que agora mora em mim



 



Por saber que agora será para sempre assim



 



Chorei



 



E não pude compreender



 



A razão de ter que te perder.



 


 


 


 



magnólia



 


 



publicado por magnolia às 23:19
link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
|

sheeee...não façam barulho...

Estou na biblioteca...adoro o silencio, o cheiro dos livros... gosto da claridade deste lugar... gosto de me sentir benvinda...gosto de sentir esta paz, esta tranquilidade... sheee....não façam barulho... deixem-me gozar este momento único....são momentos especiais...sheee....

 

 

 


sinto-me: ....

publicado por magnolia às 16:06
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|

...e mais ainda...
Cláudia Moreira

Cria o teu cartão de visita
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Ideias recentes

Entrudo

Fábula

primavera

música, da boa.

poema simples

A invenção do Amor

we all do have some nost...

manhãs

poema simples

That 'cause sometimes I t...

breve história de uma árv...

O Humor dos outros.

2013 - os livros que li, ...

Feliz Ano Novo!

Porque os livros (também)...

2013 - os livros que li, ...

That 'cause I think of my...

Estes já têm lugar na min...

Quem se lembra?

2013 - os livros que li, ...

Ideias antigas

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Março 2007

Março 2006

tags

todas as tags

links

Uploaded with ImageShack.us
A minha obra:-)
Image Hosted by ImageShack.us
By magicmagnolia
Statistic
Procuras alguma ideia em especial?
 
Quantos andarão por aqui?
web counter
Pub
Ideias em pelicula
Que horas são?


blogs SAPO
subscrever feeds