Falar sobre tudo e mais alguma coisa
Sexta-feira, 29 de Agosto de 2008
Pássaros Feridos - Colleen McCullough

Existe uma lenda acerca de um pássaro que só canta uma vez na vida, com mais suavidade que qualquer outra criatura sobre a Terra. A partir do momento em que deixa o ninho, começa a procurar um espinheiro, e só descansa quando o encontra. Depois, cantando entre os galhos selvagens, empala-se no acúleo mais agudo e comprido. E, morrendo, sublima a própria agonia e solta um canto mais belo que o da cotovia e o do rouxinol. Um canto superlativo, cujo preço é a existência. Mas o mundo inteiro pára para ouvi-lo, e Deus sorri no céu. Pois o melhor só se adquire à custa de um grande sofrimento... Pelo menos é o que diz a lenda.
[...]
O pássaro com o espinho cravado no peito segue uma lei imutável; impelido por ela, não sabe o que é empalar-se, e morre cantando. No instante em que o espinho penetra, não há nele consciência do morrer futuro; limita-se a cantar e canta até que não lhe sobra vida para emitir uma única nota. Mas nós, quando enfiamos os espinhos no peito, nós sabemos, compreendemos. E assim mesmo fazemo-lo.

 

 

Gostei muito de ler "Pássaros Feridos". Sem duvida que a autora conhece a fundo a especie humana. Mostra-nos através da história de uma familia, com especial destaque para Meggie e Ralph, o quanto a vida pode ser ingrata e dolorosa. Orgulho, ambiçao, preconceito, ignorancia, teimosia, ingenuidade, maldade, tudo isto pode castrar a oportunidade de ser feliz. Creio que há de tudo um pouco neste enredo travando a hipotese dos personagens serem felizes.

Aconselho!

 

 

"Sinopse
 

Pássaros Feridos é a saga vigorosa e romântica de uma família singular, os Clearys. Começa no princípio do século XX, quando Paddy Cleary leva a mulher, Fiona e os sete filhos do casal para Drogheda, vasta fazenda de criação de carneiros, propriedade da irmã mais velha, viúva autoritária e sem filhos; e termina mais de meio século depois, quando a única sobrevivente da terceira geração, a brilhante actriz Justine O' Neill, muitos meridianos longe das suas raízes, começa a viver o seu grande amor.

Personagens maravilhosas povoam este livro: o forte e delicado Paddy, que esconde uma recordação muito íntima; a zelosa Fiona, que se recusa a dar amor porque este, um dia, a traiu; o violento e atormentado Frank e os outros filhos do casal Cleary, que trabalham de sol a sol e dedicam a Drogheda a energia e devoção que a maioria dos homens destina às mulheres; Meggie, Ralph e os filhos de Meggie, Justine e Dane. E a própria terra: nua, inflexível nas suas florações, presa de ciclos gigantescos de secas e cheias, rica quando a natureza é generosa, imprevisível como nenhum outro sítio na terra."

 


sinto-me: apegada as personagens

publicado por magnolia às 10:16
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|

Quinta-feira, 28 de Agosto de 2008
Partidas, chegadas, emoções, tantas, tantas...

imagem retirada da net

 

Parece-me que esta atracção por estações de comboio vem de longe. Não sei quando começou, mas desde de sempre me lembro de pensar nelas e ficar com um friozinho no estômago e a pulsação acelerada, tal e qual como quando se vai ao primeiro encontro. As estações de comboios significam partidas, chegadas, abraços, rupturas, saudades. Significam descoberta, paixões, outras gentes, outros lugares. Fazem-me sonhar! Tantas vezes que fui apenas por ir. Apenas para imaginar que alguém chegava e me abraçava e me beijava e me dizia as saudades que tivera. Tantas vezes que fui e imaginei que ia para longe, ver novos lugares, conhecer gente. Nos tempos em que era muito triste, imaginava ir embora num desses comboio que partem resfolegando. Mas nessa altura nunca parti.

Houveram tempos em que entrei num desses comboios e que alem do prazer de estar na estação de partida, ouvindo os comboios chegar e partir, de ver as pessoas correndo, esperando, sorrindo, chorando, também tive o prazer da estação da chegada. De ter alguém à espera. De ver, de cheirar, de sentir novos lugares. De apreciar a paisagem que passa a correr na janela. De ver um mundo novo a abrir-se perante os meus olhos. Eu já tive esse prazer. E gostei tanto!

Hoje e ontem e sempre, as estações de comboio povoam os meus sonhos. O grande amor da minha vida que há-de ver-me numa dessas estações perdida entre a multidão e virá aconchegar-me a alma com um sorriso. A grande viagem que hei-de fazer de cidade em cidade. A despedida entre lágrimas de alguém que há-de partir para sempre. E tantos, tantos outros sonhos que já sonhei em que a estação de comboios é sempre o cenário mais belo.

As estações de comboios são promessas de emoções novas…

Magnólia

 

Ps: lembrei-me de escrever sobre elas porque amanhã a minha filha já vai de novo deixar-me. Vai de ferias para Trás-os-Montes com familiares…

 

 

 

 

 

 


sinto-me: saudosa e nostalgica

publicado por magnolia às 15:32
link do post | comentar | ver comentários (14) | favorito
|

Quarta-feira, 27 de Agosto de 2008
Sinto-me destacada!! :-)

 

....é tudo o que consigo dizer ao meu querido....

...por mais um destaque!

 

Não sei bem que fiz eu para o merecer...mas olha, agora já cá está, e eu agradeço muitissimo e fico muito felizzzzzzzzz!!!!

 


sinto-me: destacada

publicado por magnolia às 13:39
link do post | comentar | ver comentários (22) | favorito
|

Terça-feira, 26 de Agosto de 2008
Das lágrimas ao riso...

 

Na semana passada vi “O menino de Cabul”. Chorei copiosamente. O filme em si está muito bom, mas a mensagem é terrível. Fala da guerra, da violência, da injustiça, das crianças, da moral, dos amorais, dos senhores da guerra, das mulheres, da crueldade, da diferença, da religião, dos costumes, do fanatismo, fala de um povo ao qual eu não gostaria de pertencer. É a história de dois meninos que vivem em Cabul, e que apesar de serem amigos, um é o filho do patrão e o outro o filho do empregado. Vejam, mas com a mente aberta e um pacote de lenços ao lado…

 

Ontem a pedido da minha filha fomos alugar um filme para miúdos. Ela escolhe sempre os mesmos por isso ontem fui eu que aconselhei um filme! Trouxemos o “Artur e os Minimeus” e adoramos! É um filme perfeito para ver em família. Esta bem feito, é cheio de sentido de humor, é sensível, é amoroso! É a história do Artur que através de uma magia entra no mundo do minimeus, pequenos seres que vivem nos nossos jardins, a fim de procurar o tesouro do avô e salvar a família de perder a casa onde vivem.

Aconselho vivamente a miúdos e a graúdos!

 


sinto-me: sem grandes ideias

publicado por magnolia às 10:33
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
|

Quinta-feira, 21 de Agosto de 2008
Saudades, muitas, muitas...

 

imagem retirada da net

 

 

 

Hoje quando pensei em ti, senti os meus olhos ficarem húmidos e meu peito tão apertadinho como se pesasse toneladas. As entranhas revolveram-se-me e senti uma dor profunda em todo o meu ser. Tenho saudades…

Como vai ser no dia que ganhares asas e voares? Como vai ser quando já não te tiver todas as noites perto de mim? Quando não tiver a tua mãozinha a passar no meu cabelo? Como vou sobreviver sem ouvir o teu riso alegre? Como poderei algum dia passar sem os teus beijinhos? Tenho saudades…

Estas longe de mim há dois dias e parecem semanas. Falo contigo ao telefone e fico de sorriso nos lábios, babada. Tenho muitas saudades…

Que vai ser de mim minha filha? Que vai ser de mim sem ti um dia? Os meus dias serão vazios. Visitar-me-ás? Pensarás em mim, tua velha mãe? Falarás de mim aos teus filhos com carinho? Já tenho saudades e esses dias ainda estão no futuro num tempo que não vejo.

Sabes que te amo mais do que tudo no mundo. Não só a ti, também amo muito o teu irmão, mas é como se fosses única e o amor que te dedico único também. E o ao teu irmão amo de igual forma. Por isso, hoje te digo que te amo mais do que a mim própria, que te quero mais do que a todas as coisas na vida. E que a vida sem ti não faz sentido nenhum….

Tenho saudades de ti…

 

 


sinto-me: saudosa

publicado por magnolia às 17:42
link do post | comentar | ver comentários (24) | favorito
|

Mais um miminho:-)

 

Fui mimada com este belo prémio pela minha amiga Mariana! Obrigada querida:-)

 

E agora tenho que passa-lo a alguns blogs tambem...embora isso custe muito, porque não vou conseguir nomear todos os que gosto...

 

cá vai:

 

...e pronto....hoje são estes, noutro dia serão outros e os nomeados de hoje espalhem o prémio para que todos tenham direito a recebe-lo...porque é tão bom receber mimos


sinto-me: mimada

publicado por magnolia às 09:42
link do post | comentar | ver comentários (9) | favorito
|

Quarta-feira, 20 de Agosto de 2008
Se um dia...


imagem retirada da net


 


Se um dia…


Se um dia eu pudesse escrever


Um lindo poema de amor


Ou numa tela derramar a cor


Pintar para que pudesses ver


O meu grande amor por ti….


 


Se um dia eu pudesse cantar


Uma terna e doce melodia


Passear contigo ao fim do dia


E mostrar numa noite de luar


O meu grande amor por ti…


 


Se um dia eu pudesse esculpir


Em barro os meus sentimentos


Se fugissem meus pensamentos


De mim para ti conseguirias sentir


O meu grande amor por ti…


 


Se um dia eu pudesse amar-te


Se pudesse ter-te no meu peito


E a tua boca perto, a jeito


Tu sentirias ao beijar-te


O meu grande amor por ti…



Magnólia


20-08-2008


 



publicado por magnolia às 15:42
link do post | comentar | ver comentários (11) | favorito
|

Segunda-feira, 18 de Agosto de 2008
Azar é o meu nome do meio (".)

imagem retirada da net

 

Ora, estava eu a trabalhar muito sossegada, já exausta depois de muitas travessas de bacalhau carregar e de muitos pratos levantar, quando isto sucedeu:

Comi uma mosca!! Pois é, comi uma mosca, claro que não a mastiguei, não acompanhei com uma batatinha a murro, nem com arroz de forno, e nem mesmo com uma salada gourmet, mas engoli a mosquita que veio aterrar na minha garganta em voo picado!

Estávamos todos com uma bandeja na mão, nomeadamente com 10 pratos em cima, mesmo em frente ao bolo de noivos, à espera que o chefe o cortasse e o pusesse nos pratos. Eu e a S. estávamos mesmo em frente ao bolo e uma mosca chata a saltar da minha cara para a dela e da dela para minha. As duas a abanar a cabeça para afastar a mosca chata. Ia eu a dizer “mas que mosca chata” quando a dita aproveita a deixa e entra em voo directo para a minha garganta!

Eu fiquei super atrapalhada. Sem saber o que fazer com a mosca. Não dava para simplesmente abrir a boca e deixa-la ir, porque estava já num sítio difícil, nem podia tentar cuspir, mas também não me apetecia engolir a mosca. A S. disse que eu fiquei vermelha que nem um pimento! Eu sentia aquela coisinha ali na garganta e tinha que pensar depressa. A S. abriu a boca de espanto e desatou a rir. Eu, com cara de nojo, hesitei e pensei: lá terá que ser…

E pronto, lá foi a mosquinha pelo esófago abaixo e eu a senti-la. Eu não podia rir, mas tinha que rir. A situação era por demais caricata. Com o riso e o calor eu já lacrimejava. A mistura de rímel com lágrimas é explosiva, resulta em muitas mais lágrimas, de maneira que servi o bolo com um olho aberto e um olho fechado. A chorar e a rir ao mesmo tempo e a pensar na sorte malvada que tenho.

Epilogo: não morri por comer a mosca, mas fui o motivo da risota de todos os meus colegas por um bom par de horas!

 

Magnólia

 


sinto-me: meia enjoada!

publicado por magnolia às 14:37
link do post | comentar | ver comentários (9) | favorito
|

Quinta-feira, 14 de Agosto de 2008
A minha vida tem banda sonora!

imagem retirada da net

 

As vezes imagino que a vida tem banda sonora. Fecho os olhos e ouço a música de fundo. Há uma para cada momento. Uma musica tranquila que me acompanha num passeio ao fim da tarde à beira mar. Uma musica romântica para abrilhantar um jantar a dois. As vezes a musica parece chorar tal como eu. Toca baixinho para não incomodar o que estou a sentir… chora comigo. Embala-me. Outras vezes a musica é alegre exactamente igual ao sorriso que trago estampado no rosto.

As vezes, quando o sol já está pertinho da linha do horizonte, paro o carro ao pé da praia e sento-me no paredão. Uma brisa suave afaga o meu rosto, faz mover o meu cabelo. O sol aquece-me a pele e obriga-me a semi-cerrar os olhos. Ouço dentro da minha cabeça a voz tranquila de algum cantor meloso em língua inglesa e o tempo parece parar. É uma das melhores sensações do mundo. O tempo parado, o calor do sol, o cheiro do mar, o silencio no meio da multidão….

Outras vezes, quando a alma chora, ouço o Josh. Eu sei que não devia, mas é ele a minha banda sonora dos dias tristes. Ouço repetidamente a mesma musica como se ela fosse um bálsamo para o coração dorido. E é. A música ajuda-me a chorar e depois de mansinho estanca o manancial de lágrimas e deixa-me melhor, purificada.

A música é um dos condimentos da vida. Torna-a mais doce, melhor. E como seria bom que nos pudesse acompanhar em cada momento da nossa vida da mesma forma que o ar, o sol, e a brisa que sopra de mansinho.

 

Magnólia

 

 


sinto-me: cheia de vontade de férias

publicado por magnolia às 15:28
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
|

Quarta-feira, 13 de Agosto de 2008
A casa da saudade


imagem retirada da net


 


 



Nos dias mais tristes ainda choro


Agarrada às lembranças do passado


Finjo que me vou mas não demoro


A voltar para onde tenho estado


 


Tenho estado na casa da saudade


A viver uma vida sem sentido


Onde a dor que sinto é de verdade


O riso as vezes um pouco fingido


 


Um pouco fingido porque custa rir


Quando se sente a falta do amor


Falta de um doce carinho sentir


De um abraço dado com ardor


 


Dado com ardor, dado com desejo


Um abraço terno e carinhoso


Um toque suave, um doce beijo


Terno momento, maravilhoso


 


Maravilhoso e incomparável


É amar e ser amada intensamente


Desejar alguém, ser desejável


E querer a alguém profundamente


 


Profundamente foi como amei


Um dia alguém na minha vida


Quem foi esse amor eu já não sei


É apenas umas lembrança querida


 


Uma lembrança querida é amar


Esse sentimento tão nobre e doce


Que eu queria voltar a tentar


Por mais um minuto que fosse…


 


Magnólia


13-08-08


 



 


 


 



publicado por magnolia às 15:20
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|

...e mais ainda...
Cláudia Moreira

Cria o teu cartão de visita
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Ideias recentes

Entrudo

Fábula

primavera

música, da boa.

poema simples

A invenção do Amor

we all do have some nost...

manhãs

poema simples

That 'cause sometimes I t...

breve história de uma árv...

O Humor dos outros.

2013 - os livros que li, ...

Feliz Ano Novo!

Porque os livros (também)...

2013 - os livros que li, ...

That 'cause I think of my...

Estes já têm lugar na min...

Quem se lembra?

2013 - os livros que li, ...

Ideias antigas

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Março 2007

Março 2006

tags

todas as tags

links

Uploaded with ImageShack.us
A minha obra:-)
Image Hosted by ImageShack.us
By magicmagnolia
Statistic
Procuras alguma ideia em especial?
 
Quantos andarão por aqui?
web counter
Pub
Ideias em pelicula
Que horas são?


blogs SAPO
subscrever feeds