Falar sobre tudo e mais alguma coisa
Sexta-feira, 16 de Outubro de 2009
Uma rua sem nome, a minha...


imagem retirada da net


 


Cheguei quase ao fim do dia à minha rua. Esta rua não tem nome, nem tem número, nem nenhuma placa que a identifique. Não precisa de ter nome nem numero nem placa, nem nada que a marque porque está gravada em mim e em todos os que por lá passaram para todo o sempre.


Voltei depois de um grande ausência. Senti saudades. Achei que tudo iria estar diferente, pior, muito pior do que a última vez que pisei aquelas pedras do chão mas enganei-me e fiquei feliz…


A luz do fim de tarde de Verão pintava tudo de um tom dourado. O sol já enfraquecido pela hora pousava nos telhados, iluminando-os, pousava nas paredes e pareciam menos velhas. Os beirais ferrugentos pareciam apenas pintados de escuro e as varandas de ferro rendado deixavam as orquídeas, os fetos e as begónias passar por elas. As buganvílias lilases cresciam sem licença e agarravam-se às pedras salientes das paredes, aos umbrais das portas e das janelas.


A rua estava deserta. As pessoas estavam dentro das portas atarefadas nas suas vidas de todos os dias. Podia sentir o cheiro dos cozinhados, numa porta cheirava a refogado, na outra alguém deveria estar a fazer um bolo para a sobremesa da família. Ouvi vozes e foi como se pudesse entrar dentro de cada uma das casas e participar das suas vidas, sentir os seus anseios, desejar os seus sonhos, acarinhar as suas crianças. E seria sempre bem recebida. Com abraços. Com sorrisos. Com beijos.


Ouvi também o eco dos meus passos nas pedras centenárias. Pedras polidas por milhares de sapatos e pés descalços que por ali passaram todos os dias, todos os meses, todos os anos, todas as décadas durante mais de um século.


A minha rua é a mais bela de todas as ruas que já conheci. Tem um salão de chá onde as senhoras se reúnem para o chá da tarde. Passo em frente e vejo o letreiro já desbotado onde se pode ler o nome: “Salão de Chá Londres” e apetece-me entrar e sentar-me um pouco. Mas está fechado, as cortinas de renda branca estão corridas e a porta fechada.


Também tem uma retrosaria. Era lá que as senhoras compravam as linhas e os botões para costurar as roupas dos filhos. Agora se calhar já não é assim, mas quando eu era pequena, era lá que a minha mãe comprava as linhas de bordar para fazer coisas maravilhosas nos meus vestidos floridos, a fita de seda, as molas e os botões. Agora vejo que na montra também tem alguma roupa e calçado. Mas o reclame mantém-se. Ainda se vê a marca das linhas que deve ter ajudado a pagar o reclame: “Retrosaria Coats” e por baixo, “Cotas & Claras”.


A florista que vendia de tudo e também fazia arregaçadas para os funerais e bouquets singelos para as noivas. Agora estava a porta fechada, mas dentro pude ver que continuava tudo como antes. Aparentemente continuava tudo como antes. Lembro-me que era lá e só lá que a minha mãe comprava todos os sábados as flores para enfeitar a sala. Sempre a sala.


E um alfaiate. Na minha rua tinha um alfaiate que usava sempre a fita métrica ao pescoço e andava sujo de giz. Agora diz pronto-a-vestir por cima da porta. Na montra, peças modernas para homem e senhora. Também o reclame já não é o mesmo. Talvez o Sr. alfaiate tenha morrido


Era sempre no Outono que passava por lá o vendedor de castanhas e ocupava ali um lugar perto do Sr. alfaiate e era certo que todos os dias o alfaiate lhe comprava meia dúzia de castanhas, porque não podia ser mais, porque a vida estava cara.


Passo por todos estes lugares como passei há uns anos atrás, muitos anos atrás e pouco mudou. Nada mudou na sua essência. A rua continua a ser a minha rua. As casas baixas caiadas de branco, já a precisarem de nova pintura continuam as mesmas. As pedras da rua são as mesmas. As varandas, as flores, as gaiolas penduradas nas varandas até ser noite, a roupa molhada estendida por fora da janela. Os postes de iluminação de ferro fundido e vidros quadrados. Os cheiros da minha rua, as cores da minha rua, os sonhos de todos os que cresceram por ali e que estão presos dentro de cada pedacinho da minha rua.


Voltei para ficar. Não sei como vai ser a minha história a partir daqui, mas sei que estou feliz por ter voltado a esta rua, à minha rua.  


 


 


 


Texto de ficção para a Fábrica das Histórias por Cláudia Moreira


 


 


 


 



publicado por magnolia às 12:09
link do post | comentar | favorito
|

4 comentários:
De green.eyes a 16 de Outubro de 2009 às 16:48
Diz o ditado "O bom filho a casa torna" ...

Parabéns Claudia o seu texto está lindo ... aliás como sempre ...

Beijinhos e bom fim de semana


De magnolia a 19 de Outubro de 2009 às 12:45
Oh Ana, obrigada:)

Fico sempre tão contente quando sinto que gostam do meu trabalho...:)

Um beijinho grande


De agoradigoeu a 16 de Outubro de 2009 às 19:34
muito bonito
a tua rua será sempre tua e nela habitarás sempre o teu tempo...até sempre...
nrbto


De magnolia a 19 de Outubro de 2009 às 12:46
:))

esta rua não é a minha, mas poderia muito bem ser...:))

Um beijinho


Comentar post

...e mais ainda...
Cláudia Moreira

Cria o teu cartão de visita
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Ideias recentes

Entrudo

Fábula

primavera

música, da boa.

poema simples

A invenção do Amor

we all do have some nost...

manhãs

poema simples

That 'cause sometimes I t...

breve história de uma árv...

O Humor dos outros.

2013 - os livros que li, ...

Feliz Ano Novo!

Porque os livros (também)...

2013 - os livros que li, ...

That 'cause I think of my...

Estes já têm lugar na min...

Quem se lembra?

2013 - os livros que li, ...

Ideias antigas

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Março 2007

Março 2006

tags

todas as tags

links

Uploaded with ImageShack.us
A minha obra:-)
Image Hosted by ImageShack.us
By magicmagnolia
Statistic
Procuras alguma ideia em especial?
 
Quantos andarão por aqui?
web counter
Pub
Ideias em pelicula
Que horas são?


blogs SAPO
subscrever feeds