Falar sobre tudo e mais alguma coisa
Sábado, 16 de Maio de 2009
E agora que te encontrei...

 imagem retirada da net


…jamais te deixarei ir. Acredita que é verdade que jamais te deixarei ir embora. Não sabes o tempo que estive à tua espera, a falta que me fizeste… Não penses portanto que te deixo ir embora assim facilmente…


Andei a sonhar com um príncipe, a fabricá-lo na minha cabeça durante anos a fio. Usava o tempo perdido das viagens que fazia entre minha casa e o emprego e entre o emprego e a minha casa para isso. Levava comigo um livro, um caderno, um papel, onde anotava todas as coisas que me iam passando pela cabeça. Pensamentos, ideias, coisas que imaginava. Sabia como seria o meu príncipe, a cor dos olhos, do cabelo, a maneira como me falaria a primeira vez e até mesmo o que me diria. Sabia também como seria o nosso primeiro beijo. Estava tudo absolutamente claro na minha cabeça. No entanto, estive à tua espera tanto tempo e nunca vieste. Um dia desisti de te procurar. Desisti. Porque ninguém consegue ficar à espera tanto tempo de algo que não existe.


Foi depois, numa noite escura de Inverno em que nos juntamos todos para jantar como tantas outras vezes, que te vi a primeira vez. Isto não é verdade dirás tu. E dirás isso porque já nos conhecíamos há algum tempo, socializávamos, conversávamos. Mas eu nunca te tinha visto. Nem tu a mim. E a verdade é que mesmo muito tempo depois, muitos dias, muitos meses, anos até depois de te ter visto, tu não ainda não me tinhas visto. Foram precisos muitos jantares, muitos cafés, muitas tardes passadas em amena cavaqueira para quem me visses.


Muitas vezes desanimei achando que era escusado. Que eu era absolutamente invisível para ti e que continuaria a ser para sempre. Olhava para mim e pensava como seria possível não me veres da mesma maneira que eu te via a ti. Que teria eu de errado? Perguntava-me muitas e muitas vezes. Depois percebia que era normal. Eu era invisível para ti assim como tu tinhas sido para mim durante muitos anos.


Agora deves estar a pensar que enlouqueci com esta história de estarmos juntos no café e nunca nos termos visto. É verdade. É a mais pura verdade. Estamos junto de tanta gente, falamos, rimos, até dizemos umas graças, mas a verdade é que não vemos a pessoa com olhos de ver. Vamos vendo no meio da névoa que nos protege dos outros. Foi isso sempre que nos aconteceu até aquele dia. Não fizeste nada de especial, nem te vestiste de forma especial, e nem tão pouco tiraste a roupa. Também não dançaste comigo nem me mandaste um piropo. Mas algo aconteceu numa fracção de segundo, algo mudou, como se estivesse às escuras e de repente se tivesse feito luz. Foi algo que disseste sobre um filme que ambos tínhamos visto há anos, ainda nem sonhávamos conhecermo-nos, e foi isso mesmo que achei extraordinário, o termos gostado da mesma cena como se a tivéssemos visto juntos e tivéssemos então rido juntos. Foi como uma revelação. Como se naquele momento o mundo tivesse posto a descoberto a verdade. O mundo parecia dizer: é este, é este o homem certo para ti.


No entanto nada aconteceu. O mundo revelou-me a verdade mas não fez o mesmo contigo. Logo eu passei a ver-te mas fiquei invisível para ti, tanto como antes.


Depois desse dia, só me apeteceu estar onde tu estivesses e só me apeteceu ouvir-te falar das coisas que eu também sabia e mais ninguém parece saber. Só me apeteceu dizer-te que gosto de ti e obrigar-te a olhar-me verdadeiramente. Ver que me vias através da névoa dos teus olhos fazia-me chorar. Sofri. Muito.


Um dia, uns meses mais tarde aconteceu. Viste-me finalmente. Nem sabes como fiquei feliz. Exultante. Como me apeteceu dar pulos de contente. Não viste, já te tinhas ido embora, mas fui passear logo a seguir perto da praia e distribui sorrisos como se fosse o dia mundial do sorriso.


Parece estranho que uma mesma pessoa possa entrar na nossa vida duas vezes, mas é mesmo assim. Tu com conseguiste essa proeza. Entraste na minha vida como amigo e depois como meu querido companheiro na grande viagem da vida. Há pessoas assim, especiais, que depois de entraram na nossa vida jamais poderão sair. Tu já sabes que és uma delas. É por isso que te digo… agora que te encontrei jamais te deixarei partir….


 


 


Texto de ficção escrito para a “Fábrica das Histórias” por Cláudia Moreira


 


 



publicado por magnolia às 16:17
link do post | comentar | favorito
|

10 comentários:
De Marta a 16 de Maio de 2009 às 17:40
Simplesmente envolvente ... adorei amiga

Beijinhos


De magnolia a 18 de Maio de 2009 às 21:22
Obrigada Martinha:)))))))

Beijinho grande!!

Ps: espero que estejas melhor!


De mamaepedro a 17 de Maio de 2009 às 17:09
Oh, juro que até ler "texto de ficção..." pensei sinceramente que era verdade, tinhas encontrado o teu principe, até estava a sorrir a ler e a pensar, "que bom, que bem merece", catrino, pá, diz-me lá que o texto é verdadeiro, vá lá!!!!!!

Beijokas


De magnolia a 18 de Maio de 2009 às 21:23
POis......é tudo, tudinho ficção....tudo imaginação...:s

Gosto sempre do teu catrino, pá!! que quer dizer ao certo mamã cila? :)))))))))

Beijinhos


De Cris a 17 de Maio de 2009 às 18:53
Fiquei enternecida!!!
Fantástico... como sempre!

Beijinhos


De magnolia a 18 de Maio de 2009 às 21:24
Tu sabes bem quanto vale um comentário teu...por isso só posso ficar muito contente, muitissimo!

Beijinhos


De the_deepest_soul a 17 de Maio de 2009 às 19:59
Fizeste-me chorar!
Vou na parte do .. "desisti".

kiss's


De magnolia a 18 de Maio de 2009 às 21:25
Não te queria a chorar...não mesmo...:S

Mas tem um final feliz a história, certo? :)


beijinhos


De princesa a 17 de Julho de 2009 às 03:23
Menina como vc consegeu escrever umas coisas tao lindas igual a essas ...é muinto perfeito*....................*...vc consegeu escrever tudo que eu penso .... muinto perfeito as coisas qui vc escreve adorei


De magnolia a 18 de Julho de 2009 às 13:03
Um grande beijinho para ti princesa:))



Comentar post

...e mais ainda...
Cláudia Moreira

Cria o teu cartão de visita
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Ideias recentes

Entrudo

Fábula

primavera

música, da boa.

poema simples

A invenção do Amor

we all do have some nost...

manhãs

poema simples

That 'cause sometimes I t...

breve história de uma árv...

O Humor dos outros.

2013 - os livros que li, ...

Feliz Ano Novo!

Porque os livros (também)...

2013 - os livros que li, ...

That 'cause I think of my...

Estes já têm lugar na min...

Quem se lembra?

2013 - os livros que li, ...

Ideias antigas

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Março 2007

Março 2006

tags

todas as tags

links

Uploaded with ImageShack.us
A minha obra:-)
Image Hosted by ImageShack.us
By magicmagnolia
Statistic
Procuras alguma ideia em especial?
 
Quantos andarão por aqui?
web counter
Pub
Ideias em pelicula
Que horas são?


blogs SAPO
subscrever feeds